Um domingo desses eu estava voltando para casa, após um dia intenso de RPG, estava eu no ônibus, num desses momentos em que seu pensamento se eleva ao RPG e pensando em todas as músicas phodasticas que eu poderia ter tocado, e todas os talentos incríveis que poderia ter usado, e naquelas magias ruladoras que poderia ter conjurado… De repente me veio na cabeça um pensamento peculiar,

SE EU FOSSE REALMENTE TOCAR MINHAS MÚSICAS DE BARDO, QUE MÚSICAS SERIAM?

Então foi quando comecei a rir sozinha no ônibus, pensando no que tocaria, por exemplo:

Inspirar Heroísmo :

Um bardo de 15° nível ou superior, com 18 graduações em Atuação, é capaz de usar sua música ou poesia para inspirar um enorme heroísmo sobre si mesmo ou um único aliado num raio de 9 m, permitindo que a criatura lute bravamente até mesmo um inimigo superior. Uma criatura inspirada recebe +4 de bônus de moral nos testes de resistência e +4 de bônus de esquiva na CA.


Ou então essa:

Melodia da Libertação :

Um bardo de 12° nível ou superior, com 15 graduações em Atuação, é capaz de usar sua música ou poesia para criar um efeito similar à magia cancelar encantamento (nível do conjurador equivalente ao nível de bardo). Ativar essa habilidade exige 1 minuto de concentração ininterrupta e música. Ela afeta um único alvo num raio de 9 m do bardo. Um bardo é incapaz de usar essa habilidade sobre si mesmo. (pq afinal de contas ele já está liberto, veja só :)



Inspirar Competência :

Um bardo de 3° nível ou superior, com 6 graduações em Atuação, é capaz de usar sua música ou poesia para auxiliar um aliado a obter sucesso em uma tarefa. O personagem também precisa enxergar a criatura. Dependendo da tarefa que será realizada, o bardo conseguirá utilizar sua música para elevar o espírito do personagem, concentrando-o ou auxiliando-o de outra maneira. O aliado recebe +2 de bônus de competência nos testes de uma única perícia enquantoouvir a música inspiradora.



Inspirar Grandeza :

Um bardo de 9° nível ou superior, com 12 graduações em Atuação, é capaz de usar sua música ou poesia para inspirar grandeza sobre si mesmo ou um único aliado num raio de 9 m, aprimorando sua capacidade de combate. Uma criatura sob os efeitos de inspirar grandeza adquire 2 Dados de Vida adicionais (d10) e os pontos de vida temporários proporcionais (aplique o modificador de Constituição da criatura, se houver, aos DV), +2 de bônus de competência nas jogadas de ataque e +1 de bônus de competência nos testes de resistência de Fortitude.  (ou seja, o sujeito vira o pica das galáxias!)



Fascinar :

Um bardo com 3 graduações em Atuação é capaz de usar sua música ou poesia para fascinar uma ou mais criaturas. Cada criatura que será afetada deve estar num raio de 27 m e ser capaz de enxergar, ouvir e prestar atenção ao bardo. (e se o bardo for do sexo feminino ou um travesti que engane bem e estiver de mini saia ajuda) Para ativar essa habilidade, um bardo realiza um teste de Atuação. O resultado do teste será a CD do teste de resistência de Vontade para cada vítima. (se for Homem é quase certo falhar) Se fracassar, a criatura sentará tranquilamente (ou ficará babando) e ouvirá a música do bardo enquanto ele continuar tocando e concentrado (e dançando de preferência). Enquanto estiver fascinada, a vitima sofre -4 de penalidade em qualquer teste de Ouvir e Observar realizado como ato reflexo.



E para fechar, a mais clássica de todas as músicas de bardo !!!

Inspirar Coragem :

Um bardo com 3 graduações em Atuação é capaz de usar sua música ou poesia para inspirar coragem em seus aliados (incluindo o próprio bardo), amparando-os contra o medo e aprimorando suas habilidades de combate. Para ser afetado, o aliado precisa ouvir o bardo cantar. Os aliados afetados recebem +1 de bônus de moral nos testes de resistência contra efeitos de Encantamento e medo e +1 de bônus de moral nas jogadas de ataque e dano com armas.


Espero te tenham gostado da minha seleção, pq pretendo brincar com algumas classes de prestígio de bardo, rsrsrs

Kissus

O blog muda junto com o autor. A menos que seja um blog com uma linha extremamente rígida, o que nunca foi o caso do Dados Limpos. Hoje temos autor com bem mais maturidade para falar sobre RPG e todo esse fascinante mundo que o envolve. Ah sim, bem menos erros de português, muitas e muitas revisões e o texto justificado. Alinhado a esquerda era horrível, como a gente evolui…

Hoje tenho muito mais preocupações, colaboro também com o portal Ambrosia escrevendo sobre RPG e boa parte das notícias relacionadas a Anime/Manga ultimamente são minhas também. Escrever para um portal exige velocidade e boas fontes. Outro fator importante é como se escreve a notícia, escrever de forma pessoal é uma faca de dois gumes, alguém antipático ou de idéias polêmicas afasta alguns, mas também consegue fieis seguidores. Existem também as informações exclusivas, entrevistas, o entretenimento extra como tiras e outras coisinhas engraçadas….

Mas enfim, já sai do roteiro, o Dados Limpos não é um portal. Escrevo de forma pessoal, sem tanta pressa. Raramente repasso notícias gringas a menos que muito me interessem. O bom de tudo isso é que aos poucos o Dados Limpos se descobriu como um blog de humor para jogadores de RPG. Piadinhas, colunas engraçadas, apelidos divertidos para estereótipos comuns em mesas de RPG, tudo original, diga-se de passagem.

Hoje tenho uma visão mais bem definida do que escrever por aqui, já sei organizar as coisas de forma correta, posso colocar os “pingos nos is” sem medo de ser feliz. Tenho uma categoria para assuntos pessoais assim como categorias para cada sessão divertida que faço sempre com muito prazer. Nada disso vai acabar.

O novo visual do blog segue essa tendência em mudar. Se você me acompanha via rss entra no blog para conferir, busquei um visual mais limpo com uma fonte que me agrada muito mais que a anterior. Ainda faltam alguns detalhes, mas vou corrigi-los aos poucos. Diminui sensivelmente o número de propagandas, banners e tudo mais, estranhamente eu estava incomodado com tudo aquilo, mais um sinal de mudança.

E é isso, espero que estejam gostando das mudanças e aceito sugestões quanto ao visual. O Dados Limpos mudou, agora seu escritor é um “papai” e os Dados Limpos além de limpos são  agora  obrigatoriamente esterilizados. Sabe como é, nos primeiros meses de vida se deve ter muito cuidado com bebês :D

Obs.: Agora que percebi que os paragrafos desse tema não pulam linhas direito, hora de mais uma edição…

Tenha muito cuidado com o ponto fraco que escolhe...

Ter a desvantagem Ponto Fraco em 3D&T deixa o opositor mais forte ganhando +1 em Habilidade durante o combate. Parece muito pouco, mas Habilidade é o atributo mais usado em 3D&T e mesmo o +1 faz toda diferença do mundo.

Sendo o tema da Iniciativa 3D&T Alpha dessa semana Artes Marciais, venho por esse post sugerir que a vantagem Ataque Especial possa ganhar um pouco mais de possibilidades sendo capaz de dar trabalho para quem a possui. Segue abaixo duas fraquezas que podem ser compradas:

  • Ponto Fraco: Golpe Ineficaz (-1 ponto): Depois que o Ataque Especial é usado um número de vezes igual a sua Habilidade no mesmo adversário, esse inimigo pode efetuar um teste de Habilidade por rodada e caso ele tenha sucesso no teste ele ganha Armadura Extra contra seu Ataque Especial sempre.
    O jogador pode recomprar a Desvantagem para anular essa Armadura Extra representando sua superação com relação a fraqueza em sua técnica especial.
  • Ponto Fraco: Vulnerabilidade (-1 ponto): Quando você usa seu Ataque Especial você cria uma brecha em sua defesa que permite ao adversário causar mais dano em você. Você consegue ocultar de seu adversário o ponto fraco de seu Ataque Especial um número de vezes que você usa esse Ataque contra ele igual ao seu atributo Habilidade. Depois disso, caso ele passe em um teste de Habilidade (que pode ser tentado uma vez por rodada após ser possível) toda vez que você efetua seu Ataque Especial, na rodada seguinte e somente durante ela você fica com a Desvantagem Vulnerabilidade a qualquer ataque desse adversário.
    Novamente essa Desvantagem pode ser recomprada posteriormente representando a superação do personagem.

Inspirei-me claramente em situações comuns de combate em mangás, mas enfim, estamos falando de Defensores de Tóquio, não vejo nada demais com relação a isso. O valor -1 ponto pode parece baixo para uma desvantagem que abre sua defesa ou torna seu ataque praticamente ineficaz, mais não custa lembrar que essa desvantagem é uma fraqueza do Ataque Especial e somente usando ele você terá problemas.

Outros blogs que já participaram da Iniciativa:

Crônicas de Arton – Novas Vantagens de Artes Marciais
Elf’s Lair
Ninjas
Livre RoleplayKung-Fantasy
Rodapé do Horizonte – O Monge do Punho de Khalmyr
Yomotsu Hirasaka – Técnicas Especiais

Até aonde vale a pena criar um sistema novo, totalmente do zero, para se adaptar as necessidades do seu jogo?

Hoje, mais que nunca, entendo a revolução que foi o sistema aberto d20. Criar um sistema próprio não é como trocar de roupa, pode dar muito trabalho quando as idéia não chegam de imediato.

Por que eu criaria um sistema próprio para meu jogo?

Por que o nível de personalização é maior e assim a chance (se o sistema for bem pensado) do usuário ficar frustrado é bem menor. A experiência se torna única dando um gostinho diferente para o seu jogo.

Por que é divertido também serve? :D

Por que você usaria um sistema pronto e aberto (que pode ser usado livremente, como o sistema d20, por exemplo)?

Por que dá muito menos trabalho alterar algo pronto. Você só corre o risco de não conseguir o mesmo resultado que em um sistema novo criado por você para seu jogo, além de conseguir algumas caretas de gente que não gosta de sua escolha para sistema aberto. Mas você também aproveita os fãs do sistema aberto que você escolheu, essa comunidade ficará curiosa para saber como funciona o sistema.

O tempo que você tem para se dedicar ao projeto é uma variável importante. Se a idéia é muito boa e eu não tenho tempo para pensar no sistema talvez um sistema aberto seja novamente a melhor opção. Claro que a situação pode se inverter, minha adaptação do sistema aberto pode demorar mais que se eu criasse um sistema do zero, não é a toa que escolher a opção que mais se encaixe com essa idéia  me parece muito, muito importante.

Vocês devem estar percebendo que estou incentivando demais a escolha de uma solução pronta. Não é a toa. Perdi muito tempo e encalhei meus projetos (Cthulhu in Rio por exemplo) por que busquei criar um sistema próprio para meus jogos e no final não sai nada. E não pela falta de idéia, o Phil aqui quando cria algo é tão chato que parece mulher na hora de escolher o vestido, vai entender…

No momento vou pegar coisas já prontas e adaptar as minhas necessidades. Parece-me muito mais interessante já que tenho tantas idéias e nenhuma delas saiu do papel por causa exatamente desse problema. Creio que todo jogador de RPG pensa em criar seu próprio sistema e se você assim como eu, está encalhado, não cometa esse pecado de travar sua idéia. Pegue um sistema já pronto e aberto. Pense nisso.

Eu não sabia até ter entrado de férias que era tão viciado em internet. O limite entre algo doentio e um habito saudável pode se tornar pequeno e você nem perceber. Quando se mora com os pais existe as vezes um consentimento dos mesmos em que você fique horas no computador (como no meu caso), é a tal da privacidade que pentelhamos eles o tempo todo para ter ou simplesmente é a necessidade que nossos pais sentem de fazer algo sozinhos, enquanto seus filhos fazem alguma atividade que os deixem em paz. Mas ai é que as vezes mora o problema…

Confesso que eu era menos grudado com o computador, mas depois que comecei a blogar me tornei um viciado em informação. Perco tempo além do necessário lendo coisas que nem sempre são úteis e deixar de fazer coisas importantes na sua vida por causa de um computador (ou qualquer coisa) é um bom sinal de que sua relação com essa atividade não está muito saudável…

De certa forma é até aceitável perceber que todo nerd possui uma relação bem compulsiva com alguma atividade como video game, internet, miniaturas, rpg… Enfim, gostamos dessas coisas e as vezes falta um limite da nossa parte.

Meu casamento e meu filho são o que está me salvando. Eu tenho uma teoria de que nossos pais nos dão a base para o que somos, mas muitas manias e hábitos adquiridos depois não são eles que vão mudar. Mesmo você tendo 15 anos e dependente deles, vão ter coisas que eles não vão gostar e você não vai mudar. Depois de um tempo os pais perdem certos poderes sobre seus filhos, vejo isso acontecer bastante e ai o que nos salva somos nós mesmos…

Quando entrei de férias ouvi reclamações constantes da minha esposa sobre eu ficar tempo demais no computador. “Eu estava de férias, por que eu deveria estar de frente para aquilo?” . Eu sei caro amigo, se você tem a ligeira impressão que dorme com os teclados nas mãos de tanto que fica na frente do PC você se incomodaria muito com esse questionamento, eu mesmo me incomodei… Mas… Não é que minha esposa estava certa?

Comecei a perceber que quase todo tempo que eu perdia ali era para checar emails que eu sabia que já estavam lidos, reler coisas, buscar coisas irrelevantes… Se eu estivesse programando ou estudando para uma prova importante tudo bem, mas não era esse o caso. Percebi nas minhas férias que eu estava perdendo muito tempo útil por nada. Nem diversão, era o simples costume de sempre fazer aquilo!

E por que estou falando disso? Ué, até aonde o RPG também não se encaixaria em um habito nerd  com potenciais chances de sermos viciados? Já ouvi cada barbaridade de jogadores que deixaram de fazer muita coisa para jogar RPG. Concordo, se você gosta muito de jogar RPG é de se esperar que você jogue  bastante, mas… Até aonde vai o seu limite? Você deixaria de fazer suas obrigações para jogar? Você fica ansioso quando não consegue jogar RPG?

É bom começarmos a perceber que é muito bom fazer outras coisas, eu não deixei de jogar RPG por que me casei, por que meu filho nasceu. Diminuiu um pouco mais a frequência, mas não ha como prolongar a adolescência, um período aonde eu tinha bem menos coisas para fazer. Muitos nerds gostariam de ser eternos adolescentes e passar a vida toda jogando RPG. Confesso a vocês, sou imensamente tentado a pensar dessa forma. Mas é melhor não.

Não estou chamando ninguém aqui de viciado, não sou eu que vou dizer isso, é você mesmo. Mas achei importante expor o que descobri sobre mim, sobre minha compulsividade. Prefiro que seja eu quem fala, alguém que joga RPG, que está sempre na internet. Nossos pais mesmo constantemente falando, talvez não chamem tanto nossa atenção, a grande verdade é que, querendo ou não, algumas vezes eles estão certos.

Nota: Você não conhece a teoria CNS? Leia com atenção esse post do Itiro Kariya do Atsumi RPG.

Nota 2: Após ler o post leia a resposta do Fábio Sooner a esse mesmo post. Esclarece algumas confusões minhas e acrescenta por demais novas idéias a discussão.

O Fabio Sooner levantou a bola da simplicidade em jogos de RPG Indie e o por que dessa simplicidade não aparecer nos jogos mais importantes do mercado.

Quando ele questionou lembrei-me da teoria CNS e da resposta dada pelo designer da White Wolf, Ethan Skemp, a pergunta da MC Zanini sobre o por que do sistema Storytelling não abraçar apenas o lado Narrativista da teoria:

MC Zanini: Beleza. Vocês já cogitaram dar uma abordagem totalmente Narrativista [Narrativist] ao sistema Storytelling?

Ethan Skemp: Acho que seria uma experiência interessante, mas mudar tudo? Para ser franco, temos uma diversidade tão grande de fãs que acho que uma mudança como essa acabaria excluindo alguns deles. Muitos de nossos fãs adoram ter nas mãos e poder jogar um monte de d10; eles gostam do desafio Competitivista [Gamist] de fazer inimigos poderosos em pedaços dentro de um contexto de horror. E alguns fãs gostam mesmo da aleatoriedade arriscada da Simulação [Simulation]. Definitivamente, nós aqui da White Wolf gostamos de uma boa Narrativa, mas não acho que ela seja a única coisa que torna um RPG excelente. Acho que são os outros elementos que tornam o jogo tão interessante: o fato de que um RPG pode ser muitas coisas para muitas pessoas…

Fonte: Bate-papo com Ethan Skemp, da White Wolf

Não deixa de ser verdade, enquanto os jogos Indie buscam uma experiência única mergulhando dentro de um estilo jogo específico, os jogos de RPG mais famosos do mercado nos envolve dentro de características comuns nos 3 tipos. Olhando de longe pensamos em um D&D (Competitivista), GURPS (Simulacionista) e WoD (Narrativista), mas sinto que ha um pouco de cada uma dessas tendências mais ou menos presentes, mas elas estão lá.

Sinto que o irmão mais deslocado dos 3 seja o D&D que é fortemente Competitivista e não me ajuda a pensar em algo de cunho Narrativista muito forte. Mas posso estar enganado, até por que preciso perder mais tempo discutindo sobre a CNS.

Então quer dizer que formula do sucesso seria criar um rpg que tenha características dos 3 estilos agradando Deus e o mundo? Muita gente diz ser impossível, Ethan Skemp acredita que para seu Mundo das Trevas seja sim. Lembrando da antiga linha da White Wolf, o “velho mundo”, conheço exemplos de jogadores dos 3 tipos e por um momento refletindo sobre isso fiquei intrigado.

Mesmo sabendo que não é só isso que influenciaria o sucesso de um RPG, a opinião de Ethan Skemp ficou na minha cabeça e agora acabo de compartilhar com vocês… 3 é demais?

Médico Brasileiro

Não ha criatura neste reino que não tenha medo de um Médico! Nunca se viu criatura mais cruel, nunca se viu ser mais assustador em todo reino! Não se engane se ela diz que deseja te ajudar, o conhecimento que eles possuem é sobre a morte e não sobre a vida. Maldita hora que fui me consultar…

Bardo Lirur Lepheu após voltar de um exame de prostata…

Pré-requisito: Usar um jaleco branco.

Bisturi

Todo médico brasileiro carrega um, pelo menos até esquecer no corpo de alguém…

Prof. +3 Dano 1d4 Preço 10 PO Grupo Lâmina Leve Propriedades Mão inábil, Leve de arremesso, Pequena

HABILIDADES DA TRILHA MÉDICO BRASILEIRO

Ação do Médico (Nível 11): Quando você gasta um ponto de ação para efetuar uma ação extra você… Não faz nada. Manda o paciente adversário procurar outro hospital por que esse está super lotado…

Sindrome do Jaleco Branco (Nível 11): Você possui a sua volta uma aura de morte que causa pânico em quem você se aproxima. Todos os personagens de raça humanoide presentes no combate (sejam aliados ou inimigos) ganham penalidade de -1 em suas resistências quando as rolam contra os ataques do Médico Brasileiro.

Erro Médico (Nível 16): Sua dedicação a seus paciente é tão grande que você amputa o braço do paciente com dor de barriga… Um adversário que esteja sobre qualquer condição de combate (atordoado, cego… etc) recebe +1d6 de dano extra quando é atacado por um ataque corpo a corpo desferido pelo médico.

PROEZAS DO MÉDICO BRASILEIRO

Esquecer Ocultar objeto cirurgico

Ataque de Médico Brasileiro (Medicina) Nível 11:

Ops… Aonde deixei meu bisturi?

Encontro * Marcial, Arma

Ação Padrão Arma corpo a corpo

Alvo: Uma criatura

Ataque: Destreza Vs Reflexos

Sucesso: 2[A] + Modificador de Destreza e 1 ponto de dano contínuo até que o paciente adversário tenha removido a arma de seu corpo através de um teste de Socorro (CD 20).

Efeito: O Médico Brasileiro perde oculta  seu bisturi no paciente e fica sem arma.

Receitar Injeções

Utilidade de Médico (Medicina) Nível 12:

Paciente 1: Doutor sinto dores de cabeça e tonteiras constantes….

Médico: Humm… Uma injeção de proparoxina…

Paciente 2: Doutor acho que estou grávida!!!

Médico: Humm… Uma injeção de proparoxina…

Amigo: Grande juvenal! Quanto tempo meu amigo!

Médico: Humm… Uma injeção de proparoxina…

Diário * Marcial

Ação Padrão Corpo a Corpo

Alvo: Uma criatura

Efeito: Sua rotina de receitas é tão monotona que não tem como errar. Você pode escolher acertar uma rolagem que errou.

Hipocondria

Ataque de Médico (Medicina) 20

Médico: Hei! Olhe pra mim! Você está se sentindo bem?

Você convence o adversário que ha algo de errado com ele…

Diário * Psíquico

Ação Padrão Alcance 5

Alvo: Uma Criatura

Ataque: Inteligência Vs. Vontade

Dano: 3[A] + Modificador de Inteligência e o adversário adquire a doença Virose.

Virose

Doença de nível (o médico não tem a menor noção…)

Você tem qualquer coisa que o médico não sabeTUDO é virose.

Tolerância Melhora CD 30, Mantém CD 25 e Piora CD 24.

Você está Curado… Acho… < Role 1d20, consulte a tabela abaixo e descubra o sintoma <> Estágio Inicial: Role 1d20, consulte a tabela abaixo e descubra o sintoma <> Role 1d20, consulte a tabela abaixo e descubra o sintoma > Estágio Final: Você morre… Acho…

Lista de sintomas

1) Você tem dor de cabeça

2) Você tem dor no dedo

3) Seu braço cai

4) Você não enxerga nada.

5) Você escuta vozes

6) Você joga RPG

7) Você resolve se casar

8 ) Você tem febre

9) Você tem surdez

10) Role novamente e mantenha sintomas anteriores se existir.

11) Você acha que é um texugo atroz pelado bebado dançando macarena

12) Você tem amnésia

13) Você morre

14) Você tem diarréia

15) Você perde o olfato

16) Você não sente suas pernas

17) Você morre

18) Você fica inconsciente

19) Você fica enjoado

20) Você morre