O pessoal da Matilha me desafiou a um meme aonde falo de meus Jogos favoritos. O meme começou no CubaGames e chega até os Dados Limpos, mas caso vocês esperem que o Phil de uma lista interminável de jogos de RPG, vocês estão muito enganados!

Sou fã de consoles e jogos antigos. Quem já jogou essa época sabe que os jogos 3D criaram uma nova forma de jogar, mas excluiram também muitas modalidades antigas. Gosto dos novos, mas posso passar horas me divertindo somente baixando jogos de Nes e experimentando todo tipo de loucura criada naqueles tempos imemoriais… Vamos a minha lista:

Capitão Commando

Meu primeiro jogo de Fliperama foi o arcade do Street Fighter 2 que ficava em um bar perto da minha casa atual. Meu pai comprou uma ficha pra mim e diga-se de passagem, ele mesmo nunca soube jogar. Caiu de uma amiga minha me ensinar.

Mesmo assim não vou considerar o mais marcante, mas sim um dos que vieram em seguida, que foi Capitão Commando. Um polical com braços cibernéticos, um alienigena que mais parece mumia com duas facas, um ninja que sai partindo seus adversários ao meio e um bebê genio controlando um mecha. 4 herois bem atípicos (que são a minha cara) enfrentando um grande mal espacial, isso no melhor estilo “andar e bater”, clássico dos clássicos junto com Cadillac e Dinossauros, Justiceiro, Street of Rage e Final Fight.

Esse estilo de jogo praticamente morreu, que é uma pena e Capitão Commando sempre que posso eu inevitávelmente jogo no PC. A Capcom bem que poderia reaproveitar o jogo, só em jogar com ele no SNK versus Capcom já me senti muito feliz…

Nota: Meu personagem preferido é o Ninja

Contra 3 – The Alien War

Outro estilo “morto” é o clássico dos classicos de tiro em plataforma Contra. Cheguei a jogar Contra no Turbo Game em suas primeiras versões, mas com certeza a apice do mesmo chegou no perfeito Contra 3 – Alien War. Eu joguei muito… mas muito esse jogo. Jogar com outro jogador pode ser divertido mas sozinho, mesmo eu, já perdia bastante tempo. Virei o Jogo (giria carioca para chegar ao final de um jogo, assim como tem o famoso “zerar” que descobri com os paulistas) em todos os modos de dificuldade, que para minha diversão, a cada nível os mestres e inimigos mostravam habilidades a mais. Cheguei ao ponto de ficar tentando virar o jogo somente matando as criaturas com o número de tiros realmente necessário para matá-las… Sem comentários…

Nota: Sunset Riders é um bom outro nome para um jogo desse estilo perdido… Mas Contra vicia muito mais…

Super Metroid

O Salsa da Matilha que me perdoe, mas o melhor jogo de plataforma para mim não é Castlevania. Ele veio bem antes, com uma trilha sonora impecável e um enredo de Ficção Científica com mercenários, lazers, planetas misteriosos e piratas espaciais… Eu ainda crio um mundo RPG a esse estilo que realmente eu gosto muito. Samus Aran e sua armadura fodíssima ruleia, até hoje não consegui pegar os 100% dos itens…

Tales Of Destiny

Esse não foi o único RPG que eu “virei”. Mas foi o único que prendeu a atenção suficiente de minha pessoa para eu joga-lo inicialmente em Japonês sem nem ao menos entender um kanji, katagana, saionara ou coisa do gênero… Cheguei quase ao final, mas um injusta charada me emperrou, mas que depois foi tudo resolvido quando achei a versão em inglês.

O que falar sobre a série? Ela é a sucessora de Tales of Phantasia e se você já jogou um pouco de jogos rpg já ouviu falar do rpg de SNES que mais usou do potencial do mesmo… Gráficos e trilha sonora impecável. Tales Of Destiny tem um gráfico mais escuro, ainda bem detalhado, mas menos poderosamente fantastico que seu antecessor. Mas sua trilha sonora cantada (a abertura é cantada pela banda pop japonesa DEEN, que também fez o encerramento de Dragon Ball GT, Hitori Janai) e o enredo é poderosamente detalhado e cativante. Personagens muito divertidos e o sistema de batalha da série Tales que definitivamente não tem como negar, é divertido pra cacete!

Nota1: Tales of Destiny 2 que saiu por aqui para Playstation na realidade se chama Tales Of Etenia, mas devido a um problema nos EUA com a empresa que criou a série “He-man, o principe de eternia”, a série foi entitulada injustamente de Tales of Destiny 2… (ridículo essa do He-man, eu poderia viver sem isso…)

Nota2: Mas siiiimmmm… existe um Tales of Destiny 2 e saiu para Playstation 2!!! E caso os menos desatentos não percebam o que isso significa, significa que é a única das séries Tales a ter uma continuação. Por que será?

O bom é que Leon, dono da Swordian Chaltier, volta na segunda série. Pensei que ele tinha morrido, que seria extremamente injusto, mas ele volta como o misterioso “Judas” (nome perfeito para ele) ajudando o filho de seu antigo amigo/inimigo/ou sei lá o que Stahn, que era o principal da série anterior.

Nota3: O primeiro Tales Of Destiny teve um remake a pouco para Play2!!! A foto de cima já é a do remake.

Agora que eu já falei os meus jogos preferidos cabe a mim continuar o meme. Convido três carinhas que com certeza terão otimos jogos a compartilhar. O Edy Abreu do Urina Negra e o Marco do D’ont Worry, ByM Happy e o Tarmann do blog da DragonSlayer (se ele tiver tempo, rs). Quero saber o que vocês jogam caras! Só peço encarecidamente que tentem linkar todos os envolvidos no meme em seus posts. Abraços!

Nota mil e um… Achei a abertura do Tales of Destiny no YouTube para aquele que perderam esse linda abertura…

Link para o video: http://www.youtube.com/watch?v=f1yOdva3foI