Sandman e Clerigos de Xirontur

Sandman não penteia o cabelo, ele é o senhor do Sonhar, pra que se preocupar com isso?!?

Teve festa na casa da Sati esse final de semana e conversando com um dos amigos da Sati, Marcelo, relembramos grandes nomes dos quadrinhos, como Frank Miller e Neil Gaiman. Ao falar dele e minha obsessão por Sandman (que só perde sinceramente para Hunter x Hunter) lembrei que eu devo uma explicação que é reveladora e ao mesmo interessante sobre a parte atual da minha campanha…

Meu jogadores se encontram na necessidade de ajudar Borour, um clerigo de Xirontur (o que me deixa “pé da vida” é essa rima enfame que eu nem imaginava que sairia…), que aparentemente é o unico que seria capaz de responder ao mistério que é a trama que envolve os jogadores. Salvo pelo grupo, aparentemente Borour se dispos a ajudar os jogadores os levando a Biblioteca Universal de Xirontur, para que ali, encontrem respostas sobre o acontecido…

O grande problema é que Borour foi capturado por uma terrível divindade extraplanar conhecida como a Rainha Branca, um divindade menor dos aracnídeos, e após ser salvo por meu grupo revelou que seus três itens de mágicos foram-lhe retirados e foram com o tempo e pelo acaso, espalhados cada um, em locais distintos do mundo de campanha(ele descobriu a localização acessando uma câmara especial aonde a Rainha Branca e todos seus antecessores escrevem sua história, uma especie de bíblia, impressa nas paredes de uma câmara sagrada).

A Lâmina Solar caiu sobre as mãos de um pirata temino, o Colar de Orion nas mãos de um poderoso demônio servo da legião flamejante (grupo de demônios que são os vilões principais do mundo de Warcraft, nosso mundo base, eu acho… ) e a Capa de Tyr, se encontra nas mão dos Elfos da Noite que vivem perto ao monte Hyjal(acho que se escreve assim…).

Para os Clérigo de Xirontur seus poderes dependem de seus itens mágicos. Devido a constantes viagens pelos planos para determinar e qualificar se alguém ou um grupo seria devidamente merecido de conhecer a Biblioteca e os segredos mais obscuros guardados pelos Deuses, Xirontur deu a seus Guardiões o poder de forjar com sua benção armas aonde eles guardam seu poder divino. Perdê-las pode ser complexo, mas é a unica forma de em viagens para outros planos que o poder divino de seu Deus esteja sempre com eles.

Sem suas três armas forjadas, Borour vira um clérigos sem magias e sem a capacidade de levar o grupo para a grande dimensão particular aonde fica a Biblioteca Universal. E assim começa a jornada dos meus jogadores atrás dos itens do Clérigo de Xirontur…

Se vocês conhecem Sandman, se leram os primeiros capitulos dessa série, vocês já entenderam a grande referência que fiz a obra de Neil Gaiman…

Prelúdios e Noturnos, a primeira saga de Sandman

 

Sandman no primeiro capítulo é capturado por um bruxo que queria invocar, aprisionar e chantagear a propria Morte… Para sorte dele a Morte não veio e sim seu irmão mais novo. Morpheus, o oniromante, senhor do sonhar. Teve seus 3 objetos de poder tomados e foi aprisionado em uma jaula mística, durante seculos senão me engano, Sandman foi chantageado, mas nada fez. Após fugir e se vingar de forma bem dolorosa, Sandman volta ao sonhar para reaver seus objetos de poder, sua algibeira sobre a tutela de John Constantine, seu colar nas mãos da Liga da Justiça e sua máscara sobre a posse de um demonio dos noves circulos

Acho que vocês já deve ter compreendido essa referência/homenagem que fiz a prelúdios e noturnos, a primeira saga de Neil Gaiman com um de seus personagens mais marcantes.

Mas as refências não param ai… Um espírito que protege um dos jogadores usa uma mascara de gás, que foi uma inspiração direta na máscara de sandman. O mesmo sobre as três bruxas (as três irmãs, e todas as outras trocentas referências…) que Sandman invoca para saber a localização dos itens. Só que na minha campanha, elas são vilãs e estão atrás dos aventureiros.

Sandman é uma história excepcional e eu não poderia deixar de fazer tal referência. Bom, mais um making of revelado…