mario bros

Mario?!? Que Mario? (…)

Diferenças culturais e linguisticas podem gerar situações engraçadas indiferente do tema de rpg ou ambiente que se jogue. Vejam antigas propagandas dos cursos de inglês aonde se mostrava brasileiros achando que sinceramente entendiam espanhol e no final só perdiam seu querido tempo em grandes trapalhadas…

Alguém lembra de Ace Ventura 2 e a famosa tradição do cuspe? A tradição e a lingua são fortes ganchos para humor e começo de histórias assim como seriam traços que tornam seu perosnagem mais singular, mais “vivo” por assim dizer. Em uma curta historinha inserida dentro da louca trilogia de 5 livros de Adam Douglas, mais exatamente no primeiro livro, Guia do Mochileiro das Galaxias, Arthur Dent diz uma frase e a frase acaba caindo em outra dimensão aonde duas raças em guerras prestes a entrar em um acordo ouvem a frase que é considerado um insulto mortal em sua lingua…

Para jogadores, trabalhar em cima dessas diferenças enriquece um personagem. O seu sotaque pode ser um pouco diferente. Frases e ditados assim como tradições podem ser inventadas para descrever esse aspecto diferente da cultura aonde o personagem veio. Se falamos em fantasia as coisas ficam mais fáceis ainda. Os barbaros na maioria das historias vivem o clássico clichê do choque cultural, sendo talvez como unico que li até hoje que tenha fugido desse estereótipo seja Conan, que em a Torre do Elefante (ou coisa assim, não lembro agora o titulo completamente) fala que “se esses insultos fossem proferidos em sua tribo, esse homem já a muito tempo teria seu cranio partido por sua espada…“. Ok, com certeza é o Conan…

Mesmo jogadores que por seu background já conseguiram se desvenciliar desse choque, podem utilizar essa cultura diferente como forma de gerar um a mais para seu personagem. A forma de cumprimentar, falar, sua religião, tudo valoriza o personagem e acrescenta a mais para um trama.

Isso pode ser até utilizado para demonstrar o quanto o RPG é um recurso educacional, jogando os alunos/jogadores em uma cultura diferente e os assuntando com as palavras parecidas de uma determinada lingua, para mostrar diferenças culturais inserindo os alunos em um país sem sairem de suas cadeiras e mais, predendo a atenção dos mesmo…

Usar novas palavras para definir elementos novos de campanha, ajudam gerar um clima especial para a mesma, tornam ela única, especial. Um apelido é dado para aquele grupo de personagens pelo criminoso que eles “perseguem”. Que eles ainda nem sabem que é, mas recebem constantes mensagens misteriosas antecedendo problemas que serão causados pelo escritor das cartas… Um apelido dado em uma lingua misteriosa, que talvez seja a chave para o mistério ou o começo de um mais profundo para os jogadores…

Antes que me perguntem por que Is That Mario?!? Isso vem de um guia com termos comuns em inglês da Sati, dicas de como conseguir coisas nos Estados Unidos. Tudo bem que você não vai perguntar exatamente usando o nome Mario (apesar que conhecendo a mente de muita gente que digamos… É desprovida de capacidades mais elevadas de raciocício lógico… Não duvido de nada) mas vamos confessar, que seria engraçado:

Is That Mario?!?

Mario… Which Mario?!?