Desde que o gênero de RPG baseado em anime surgiu no Brasil (leiam Defensores de Toquio), uma nova leva de jogadores vem com uma forma diferente de jogar. Acho interessante que Tormenta pode não ter sido o precursor, mas o gênero de Fantasy Anime (acredito que eu possa chamar assim) no Brasil deu muito certo, muito mesmo.

O divertido disso é que alguns clichês exaustivamente usados nos animes acabam sendo copiados sem dó nem piedade. Não reclamo disso gente, é sério. Mas é engraçado, antes do jogador as vezes terminar a historia, eu já sei como ela termina… As vezes o jogador esquece de dar uma polida na historia do personagem, esquece de enriquecer a coisa e ela acaba virando variantes de varias outras do mesmo, que por sua vez foi variante de um personagem de anime/mangá.

Obviamente isso já acontecia antes, quem aqui já não mestrou ou jogou RPG com alguém que gostava de uma personalidade especifica ou um personagem específico e sempre repetia a receita de bolo? Eu não digo inconscientemente não, discaradamente mesmo. Uma das minhas jogadoras por exemplo, a Sati, tem uma barda pela qual ela é apaixonada. O nome, a historia, praticamente são os mesmos, acho até difícil vê-la jogando com outro personagem durante um bom tempo…

O que é engraçado é que nos animes, quem olha com mais atenção, as coisas são mesmo mais repetitivas, mesmo certos clichês sendo antigos, o anime os tornou mais usados ainda.

Os mangás japoneses famosos surgem na maioria da Shonen Jump, ela por sua vez possui um conjunto de diretrizes, de temas, que o mangaka (criador de historias e possívelmente o desenhista) deve seguir. Temas como amizade, superação pessoal são exigência básica para as histórias, o que vocês vão concordar que está sempre lá. Quem ai não conhece um anime ou mangá em que um inimigo posteriormente se torna um aliado? Ta ai uma coisa que sempre se encontra…

Mesmo que a Shonen Jump não seja a única, a formula mágica em cima desses clichês se manteve presente. Obviamente alguns desses clichês antecedem a Jump, mas acredito que ter ela como base só para se ver melhor o que eu estou falando é interessante. Existem mangás que subvertem essas idéias ou simplesmente como eu disse acima, dão uma polida na ideia e fazem um diferencial. Berseker, Hellsing, Monsters surgem em minha cabeça, mas existem varios outros, se quiserem númerar nos comentários, fiquem a vontade…

Quais Clichês eu mais vejo nas historias? (afinal esse é objetivo desse post…)

1) Mataram meu cachorro/namorada/família/membro da familia/mestre/namorado. Quero Vingança!

OK, esse enredo, é tão antigo quanto minha vovozinha, ela era possívelmente virgem na época… Fato que os animes e mangás repetem exaustivamente esse tema, que por sua vez os jogadores se apegam. Pensem em um anime. Vocês conseguem lembrar de algum anime aonde não ha um personagem que por algum motivo de vida está dedicado a se vingar de outra pessoa ou grupo?

2) Eu sou O Cara (ou seria O Muleque?) por que meu pai/mãe/familia/clã/sensei/ são também…

Essa versão possui uma série de variantes e se mistura a varias outras ideias… Você é filho de alguém muito importante e forte ou seu clã, mestre ou sei-lá-o-que eram muuuito poderosos… Isso ajuda a justificar habilidades sem muita preocupação, eu sou por que nasci assim, e acabou.

O sem vergonha do jogador as vezes nem põe essa ideia na historia de início, mas para comprar algo para o personagem mais a frente, ele me tira essa do bolso na cara mais limpa do mundo. Assim como vocês podem ver isso nos mangás o maldito do tempo todo… Muitas das vezes para explicar uma forma do personagem se superar, o Mangaká lhe dá um novo poder usando esse artifício. Acho que ninguém vai discutir, isso é bem, beeeem usado…

A minha proposta aqui nem é críticar essas ideias. Não ligo que meus jogadores usem. Mas vamos lá, tentem pelo menos dar uma melhorada na idéia. Copiar historias pode ser legal, adianta jogadores que tem pouca criatividade (leia Jogadores-Texugos), mas dar um roupagem nova a ela para não ficar tão cara dura também é muito bom…