Super Assassino Felino

Nos jogos de RPG, existem várias classes ligadas a um tipo de terreno especial (a maioria inúteis), como: Mago da Montanha, Guerreiro do Gelo, Clérigo do Pântano, Bárbaro da Relva, Bardo Marinho, Druida da Floresta (esse até que presta) e o incomparável Assassino do Deserto. Mas vamos analisar agora como é a classe de terreno mais apelona de todas, o Assassino do Deserto sem Sobrevivência no Deserto.

Essa classe, se utiliza de suas habilidades ladinas para se dar bem nas campanhas mestradas pelos mestres mais bobinhos, tipo o nosso. Pelo seu nível de apelação, o jogador que ficou com essa classe, pode se considerar um sortudo, no nosso grupo esse carinha foi o Mustang, melhor interpretador de assassinos que o mundo já viu.

Agora vamos ensinar como fazer para jogar com essa classe. Para conseguir interpretá-la bem, é necessário que o jogador tome as seguintes atitudes conforme a campanha rola (Há, lembrando que o mestre não deve permitir que mais de um jogador utilize esta profissão, ou sua campanha pode sair do controle):

Existem 7 mandamentos básicos para que você possa se dar bem com essa classe tão, hãm… exótica. Porém, esses mandamentos devem ser seguidos a risca, pois do contrário seu Assassino do deserto sem sobrevivência no deserto não será igual ao original.

1°: Poupar sobrevivência: Como pré-requisito para se tornar um assassino do deserto, você não deve nunca, jamais, em hipótese alguma, colocar pontos em sobrevivência no deserto. Porquê? Ora! Não faço a menor idéia, não foi eu quem bolou essa coisa, pergunta ao Max, foi ele quem criou a classe… É lógico que isto pode te causar problemas, tipo ser achado no deserto quase morto por um Taurino do deserto com sobrevivência no deserto e ter de servi-lo como escravo sexual pro resto da vida…

2°: Poupar Ataques Mortais: Para fortalecer seu personagem, você deve fazer algo que nenhum dos outros assassinos no mundo todo jamais fizeram, que é limitar seus ataques mortais, este tipo de assassino, simplesmente nega-se a matar os seus alvos (Aliás, jogando Cuthulu, esse personagem além de não matar o alvo, ainda o levou para a enfermaria para que ele NÃO morresse). Em termos de regras, você só deve começar a utilizar sua habilidade “Ataque mortal”, quando chegar mais ou menos no 8° nível de assassino. É, eu sei que essa habilidade é adquirida no 1° nível de classe, então porque não usá-la? Não sei, só sei que é assim…

3°: Poupar a surpresa do seu personagem: Quando o mestre avisar para outro personagem que o grupo está sendo seguido, e não houver a menor possibilidade do assassino saber disto (nem usando vidência) ele automaticamente puxará suas armas exclamando: “Eu saco minhas adagas“. Feito isso, o assassino estará sempre alerta, preparado para se defender de algo que ele não faz a menor idéia que esteja ali…

4°: Poupar o dano causado aos inimigos: Sempre que for anunciado o combate, o Assassino do deserto sem sobrevivência no deserto deverá aproveitar enquanto o Bárbaro, o Guerreiro e o Arqueiro do grupo se dirigem na direção do inimigo chamando sua atenção, enquanto isso, ele deverá usar toda a sua furtividade para ir escondido até as costas do inimigo, para que assim possa causar um maior dano usando seu ataque furtivo. Infelizmente essa tática nunca funcionou, pois os 3 turnos necessários para que ele faça isso, não são o suficiente para que o inimigo permaneça vivo (eu disse vivo? Quis dizer inteiro). Quando ele consegue se posicionar, geralmente os inimigos já estão trucidados, decapitados ou viraram coelhinhos…

5°: Não poupar o Venefício: Não importa se estão meditando, nadando, escalando, cavalgando, guerreando ou transando. O Assassino do deserto sem sobrevivência no deserto nunca desiste de tentar fazer veneno, mas não são veneninhos bobos tipo Baygon ou Chumbinho, sempre são coisas absurdas, que o mestre vai se recusar quase sempre a fornecer, tipo Bile de dragão ou Secreção de escorpião colossal.

6°: Não poupar a escolha de habilidades inúteis: Sempre que durante o jogo, surgir a oportunidade de o personagem ganhar uma habilidade, escolha sempre aquela menos adequada. Procure escolher algo que você nunca vai utilizar ou quase nunca, tipo: Uma arma mágica capaz de simular qualquer talento de combate, não que algo desse tipo seja ruim, mas um assassino não é o tipo de cara que procura se elgalfinhar na frente da porradaria. Mas mesmo assim, escolha a habilidade mais inútil pra você. (Para não ser injusto, afinal não é essa a minha intenção, devo pontuar que a escolha das habilidades foi aleatória, o jogador não sabia que seu poder lhe seria tão, tão… inútil).

7°: Não poupar a paciência dos outros jogadores: Escolha um jogador de seu grupo, preferencialmente um cujo codnome seja de um anfíbio. Durante pelo menos 5 níveis de transição de seu personagem, você deverá reclamar com esse jogador a todo o instante, pertube-o, lamentando-se com observações sem sentido do tipo “Mas o meu boneco não causa dano…

Agindo dessa maneira, você poderá com certeza, tornar-se um poderosíssimo Assassino do deserto sem sobrevivência no deserto. Uma coisa que eu nunca entendi, foi essa cisma em fazer um assassino para causar muito dano, afinal a classe tem tantas habilidades maneiras (usar veneno +1, +2, +3, +4…) que não precisa porrar tanto, ele se vira nos trinta usando perícias e magias. Mas de qualquer forma, acho que o jogador achou o lugar perfeito para o seu Assassino: Agora ele é o Scout do Grupo; evoluiu, comparando ao início onde não passava de um guarda-costas de um Homem-Vaca… ou era o Taurino quem guardava as costas dele…