A 1 mês praticamente conheci por um anuncio da Rede RPG um sistema baseado na grecia antiga chamado Phantasia RPG. Chamei a atenção do criador na época por que apesar de apresentar a proposta, não havia um link para download do sistema ou um site de apresentação.

Após conversas por msn e após ler o sistema de regras me propus a fazer uma resenha sobre ele, que demorei a fazer mais por tempo que qualquer outra coisa. Um post e uma resenha são duas coisas diferentes, isso é fato.

Phantasia RPG

phantasia rpg

Phantasia foi um rpg que surgiu de uma aula de filosofia e isso é percebido claramente enquanto se lê o livro. Ao conversar com André Neves, criador do sistema, ele me pareceu muito animado com sua criação que visa personagens mais humanos, mas não menos emocionantes. Sempre admirei sistemas simples e posso garantir que Phantasia é.

Vou passar aqui algumas das minhas impressões sobre o livro, espero que gostem.

Ambientação do sistema

Forçados ou não, felizes ou não, todos dormiam as margens do rio até o momento em que um forte trovão rasgou o céu e a terra daquele lugar, fazendo, assim, a todos descerem ao mundo dos homens, como estrelas cadentes, para cumprirem seus novos destinos de suas novas vidas.

Todo sistema, desde o vocabulário que é utilizado aos textos introdutórios de cada capitulo são dignos de nota. Todos carregados de referências a mitologia grega, são textos inspiradores e discutem nobreza, coragem, luta, vida e morte. Logo no primeiro texto ficamos presos pela contagiante historia da morte de um homem e a viagem de sua alma rumo a uma nova vida.

A Personalidade de um personagem

Com regras explicadas de forma clara, percebi em Phantasia varios mecanismos que influenciam as atitudes do personagem e deixam-os mais humanos. Sendo os atributos dividos em físico, mental e social (sim, se alguém leu minhas discussões sobre o fastfudge, sabe que eu também só uso esses atributos), cada personagem tem um tipo de alma, uma essência da personalidade, que tem como base esses três atributos básicos.

Ha também os gênios, obsessões que um personagem tem, que podem o corromper e enlouquecer. Esse atributo é avaliado como uma espécie de contador de autocontrole (ou seria nesse caso falta de controle?) e quanto maior (ele vai de 0 a 5), mais o jogador será possuido por essa necessidade até sair da linha.

Os genios são diferentes dentro da mecânica de jogo por que seu valor aumenta dependo das ações do personagem, estas avaliadas pelo mestre. Reduzir o valor desse contador de dependência para evitar o pior pode ser feito através de tentativas de redenção, novamente fica a cargo do mestre arbitrar a redução.

Ha também as necessidades que são uma lista de coisas que um ser humano não sobreviverá sem (e não falo só de coisas no aspecto fisiológico). A falta dessas necessidades implica em penalidades para o personagem aplicando um novo fator dramático que enfatiza ainda mais a idéia de ter-se personagens mais humanos.

Dados, Perícias e Testes

Phantasia usa 1d6 como dado padrão de rolagens. Usando o famoso mecanismo de teste “dado + valores relevantes” contra um nível de dificuldade especifico ou resistido. Orientado a perícias, ha 5 perícias para cada atributo totalizando 15 perícias apenas que resumem o universo de ações do jogo. Achei engraçado a perícia física Ginástica relacionada a acrobacia e outras façanhas físicas, que pelo nome quando penso em ginástica penso em programas de exercícios matinais e velhinhos, pura doideira minha, bom vamos prosseguindo…

Peculiaridades

As Peculiaridades são uma forma interessante de dar formas diferentes ao personagem, sempre ha três opções para cada peculiaridade, uma negativa (ganha um ponto), uma neutra (normal) e outra positiva (gasta 1 ponto) dando uma cara diferente nos personagens e lhes aplicando alguns bônus ou penalidades. A novidade aqui é que não ha pontos para se gastar neles, para se ter um aspecto positivo você terá que em contrapartida escolher um negativo.

O Combate

O Dano das armas de Phantasia é fixo e se baseia no “porte” da arma e quanto as proteções, elas absorvem o dano automaticamente sem rolagens. Ao meu ver isso significa que a menos que haja uma diferença grande entre dois adversários, pequenos detalhes que diferenciam cada jogador e a sorte farão a diferença em resoluções de conflitos.

O peso dos objetos aqui também tem bastante importância, ele dificulta a execução de varias manobras, essa questão deve ser muito bem observada. Sou meio traumatizado com peso desde o primeiro D&D, sempre achei que tinha coisas demais para se calcular.

Outro detalhe bem interessante são as regras de qualidade de armas e de resistência. Todo objeto pode ser encontrado em varios níveis de qualidade e quanto melhor mais tempo ele dura. Armas, escudos e armaduras possuem um número limite de utilizações que podem variar de muito alto a medíocre.

Eu, pessoalmente, nunca havia visto esse tipo de regra e achei bem interessante. Uma arma de grande qualidade dura muito tempo e não te deixa na mão. Já aquela arma mal forjada e enferrujada jogada por seu algoz para que você enfrente os gladiadores dele enquanto estiver preso bem… Não vai durar muito tempo…

Outras coisas… (ok, titulo sem a menor criatividade, sorry)

Transporte, animais de estimação, combate em massa. Tudo isso é descrito também dentro do livro de forma cuidadosa, mas ainda bem agradavel e clara. Não me adentrei muito bem a essas partes do sistema por que achei interessante focar nos aspectos mais básicos. Se alguém quiser adicionar um comentário sobre essa parte fique a vontade.

Venda

Phantasia está registrado e atualmente é interesse do André vender seu livro e ganhar com suas idéias. No site provisório de Phantasia (http://br.geocities.com/phantasiarpg/) é possível baixar uma versão menor com detalhes básicos do sistema.

Eu ainda acho que vender um livro assim, é bem difícil. Por mais que seja anunciado em varios locais que são pontos de encontro de RPGistas na Internet, a mídia tem de ser bem maior, prefiro que ele siga o caminho da galera do Opera, por exemplo. Fica ai uma idéia, apesar de que para o André eu já comentei isso já um tempinho atrás…

Críticas

No sistema ainda falta alguns capitulos para serem preenchidos, e nos capitulos finais disponíveis não ha texto introdutorio, apenas linhas em branco esperando ser preenchidas. Isso não gera muita credibilidade de compra, pelo menos é minha opinião. Também, fora o logo, não ha uma só imagem (mas parece que o André anda providenciando).

Entrando mais a fundo no campo da divulgação, o site de Phantasia é muito feinho. Uma hospedagem hoje em dia não é muito cara e não é tão difícil quando se imagina criar um site. Se buscarem plataformas de blogs como o WordPress melhor ainda, a templates bem decentes diferentes de outros bem esquisitos que se vê por ai.

Falta também mais exemplos de combates, utilização de perícias, dicas de interpretação, todo tipo de coisa que é boa para ajudar iniciantes em sua primeira jornada. Ele é bem simples, mas já vi muitas vezes os exemplos ajudarem a resolver duvidas que passam ( ou nem passaram, que é pior ) pela cabeça de leitores desatentos.

O que se pode jogar com Phantasia?

Qualquer tema pode ser jogado com Phantasia como acontece com qualquer outro sistema, é só adaptar. Mas se você ler, você perceberá que temas mais realistas e sérios são mais bem vindos devido a mecânica do sistema. A fantasia medieval pode ser incluida, mas não espere ficar brincando matar, pilhar e destruir, acho bem difícil conseguir isso em Phantasia. Cenários Futuristicos, com seus temas existenciais vão cair como uma luva.

Alias, Bionética é um cenário futuristico de RPG baseado em Phantasia e vai ser alvo da minha próxima resenha. Só falta eu conseguir entrar em contato com o autor e conseguir ler todo o conteúdo do cenário…

A sim, existe uma historia que com certeza pensei de cara em adaptar enquanto lia o livro:

300 de esparta

Não ficaria divertido?

Links sobre Phantasia RPG:

Site: http://br.geocities.com/phantasiarpg/
Blog Oficial: http://phantasiarpg-oficial.blogspot.com
Resenha na Rede RPG: http://www.rederpg.com.br/portal/modules/news