Uma pena.

Acaba de sair uma declaração que após séculos de indefinição da editora da Dragão Brasil ( que nem lembro mais qual é, qual o nome mesmo?) se prosseguiria com a revista ou não, a situação ficou tão chata que gerou o desligamento do editor Silvio Campagnoni Martins e sua equipe. Eles meteram o pé, raparam fora, tiraram o deles de campo e da reta…

Agora é só esperar, a Dragão Brasil durantes anos foi referência para nosso hobby, mas hoje ela é passado. Não achei que a nova Dragão Brasil seguiria em frente, mas não por causa do conteúdo.

Talvez o publico rpgista tenha mudado. O modelo em revista, vendido em bancas para o nosso publico não dá certo mais. Vejo muitas revistas online (que estou preparando uma matéria sobre elas) e muitos blogs surgindo. O orkut esta cheio de comunidades com discussões que vão do ouro ao puro lixo, mas hoje em dia o conteúdo nesses locais esta muito mais rápido e mais interessante para os rpgistas brasileiros em geral. Nossos amigos estão na web, os rpgistas da nova geração e da velha estão aqui, lendo meu blog, o da matilha, compartilhando conhecimento em portais como o Rede RPG.

Não é o cenário de rpg que está em decadência por causa disso, talvez seja hora de mudar a estratégia, por que o publico mudou. Talvez não a revista Dragão Brasil, mas o portal Dragão Brasil seria muito, muito melhor.

Retorno? Não tenho dúvidas que todo rpgista se encontrasse bom conteúdo no portal sempre passaria lá. O nome é forte, Adsense, patrocínios de lojas, banners, até uma loja própria por que não? Garanto que o público da Rede RPG, o público que não é da Rede, qualquer um que goste de rpg se ligaria. Até aquele cara do interior de Minas (brincadeira Edy) ou dos cafundos do Acre (será que existe rpgista no Acre? Será que o Acre existe?) teria acesso, diferente de antes. Lan House tem em todo canto hoje em dia.

O modelo está ultrapassado. Portais como a Rede RPG tem meus parabéns, hoje são referencias no meio do RPG e são provas que um novo modelo deve ser seguido. Nos blogueiros que falamos de RPG, tenho certeza que também sentimos isso. Vasculhamos tantos conteúdos, assinamos tantos feeds, a informação que captamos na internet é bem mais rápida, e bem menos monopolizada, mais diversificada, interessante. Quando vejo uma Dragão Brasil ou DragonSlayer nas bancas, lembro de várias matérias que li em algum lugar na web dos vários que já citei como novo local do público rpgista.

Essa é uma opinião minha, fico aberto a discussões como sempre fiquei, isso aqui é um blog, fiquem a vontade. Talvez as revistas de rpg não acabem. Mas não vai ser como antes, como é o caso da DragonSlayer que tem um espaço entre um lançamento e outro mais longo. O que vocês acham?