Em 3 de outubro 1957 nasce Inacio Rodrigues Melo, segundo filho homem de uma familia sofrida que lutava contra seca e a pobreza no estado do Ceará. Foi para “cidade grande” (Rio de Janeiro) em busca de condições melhores na esperança de uma vida melhor.  Começa a trabalhar cedo, sem a escola – nunca terminou nem a quarta série – passou por todo tipo de emprego que se pode imaginar. Sempre se esforçando e sempre aonde passava sendo conhecido como alguém além da média, sempre se dedicando a tudo que faz com força de vontade.

inacio-novo1.jpg

Meu pai trabalhando na padaria do bairro aonde moramos. Por causa desse trabalho ele é conhecido por praticamente todo bairro até hoje…

Por um amigo ele conheceu uma linda loira de olhos verdes chamada Célia (minha mãe), foi paixão a primeira vista! No começo, com toda sua timidez e jeitão de roceiro ele não conseguiu muita coisa com aquela mineirinha de Ponte Nova… Mal sabia a Célia que depois de muitas tentativas frustradas do meu pai seria ela mesmo que começaria tudo, após ir atrás dele – viajando de Minas Gerais ao Rio de Janeiro – para impedir que meu pai iniciasse o namoro com uma garota aqui do Rio. Partindo pra outra, como se diz de forma mais atualizada…

A história prossegue com o gravidez imprevista que fez os dois casarem-se de forma meio acelerada em uma época aonde gravidez antes do casamento não era uma coisa muito bem vista ainda (Eu nasci nesse paragrafo).

casamento-pai.jpg

O casamento dos meus pais. Algo apressado e não planejado. Eu estava ali na barriga da minha mãe. 3 meses de vida…

Meu pai ascendeu no trabalho, de faxineiro a chefe do setor de serralheria em uma empresa que fabrica e vende maquinas de lavar industrial. A  empresa faliu, mas ele voltou a trabalhar, agora em uma cooperativa em mesma função. Difícilmente ele ficaria sem emprego sendo a pessoa que é, sempre reconhecido como alguém esforçado até demais da conta.

Meu  pai acreditava que o trabalho – seja ele qual for – deve ser encarado com responsabilidade e todo esforço que for necessário. Com essa determinação que ele acreditava que uma pessoa demonstra seu valor.

pai-trabalho.jpg

Meu pai e um exemplo de máquina que ele ajudava construir. Por ter passado por todos os setores envolvidos na produção ele sabia fazer uma dessas sozinho…

Nesse meio tempo nasceu Karina, que era para ser Karine, mas como a emoção era muita (ou a audição que era pouca) acabou ficando com “a” no final mesmo. Melhor assim, ela prefere desse jeito…

pai-e-irma.jpg

Meu pai e minha irmã em nossa casa atual. Creio eu, que tenha uns 10 anos ou um pouco mais essa foto…

Meu pai se aposentou, comprou seu carro (seu sonho), e com o passar do tempo já pensava em sua aposentadoria, longos dias de jogatinha em um bar a beira da praia jogando sueca ou qualquer coisa que se possa jogar com baralho… Sonhava com uma vida tranquila com sua esposa que tanto amava, sempre muito sem jeito, mas um apaixonado até o fim.

pai-carro.jpg

O Siena do meu pai. Penultimo carro dele.

No sábado retrasado meu pai se foi após mais um ataque cardiaco. Deixou um esposa apaixonada e dois filhos que o amavam demais. É curioso falar dele por que ele sempre é visto por amigos, conhecidos e parentes como uma pessoa excepcionalmente boa. Nós que conviviamos com ele assinamos embaixo e lamentamos demais não termos retribuido nem com metade do carinho que ele dedicou a nós.

Cuida dos nossos filhos. Foi a ultima coisa que ele falou em vida e eu fico muitíssimo agradecido que foi para minha mãe que falou. Ele não estava sozinho. Eu não conseguiria ter paz para voltar a escrever qualquer coisa se não comentasse sobre esse homem  fantastico que mesmo antes de morrer fez questão de se preocupar comigo e minha irmã…

Vamos sentir muitas saudades pai.

Anúncios