Cause this is thriller
Thriller night
And no one’s gonna save you
From the beast about to strike

Thriller – Michael Jackson

Última edição do Guiness Book
Corações a mais de mil
E eu com esses números?

Números – Humberto Gessinger

3 Problemas

Estou preso dentro do banheiro do shopping aonde trabalho sem água e nem comida a 3 dias. Não sei se é sorte ou azar estar aqui. Não vejo a luz do dia e nem a do shopping e o que sei é por amigos que converso por celular. Infelizmente a 3 horas não consigo falar com mais ninguém. Familia, amigos…

Os gemidos lá fora continuam e o bater na porta do banheiro só aumenta. A porta de correr da entrada eu fechei com o cadeado que fica quardado logo na entrada do banheiro em um pequeno armário que os faxineiros do shopping usam pra guardar suas coisas. As mãos descarnadas e alucinadas desses malditos zumbis ficam balançando  para dentro pelo pequeno espaço que ainda sobra na porta.

O que eu tenho como armas? Várias vassouras que quebrei um pouco e afiei. Tem alcool e fósforo também, mas acho bem difícil, não quero correr de zumbis flamejantes, não acho que faça muita diferença com tão pouca quantidade.

Pra variar a bateria do celular começa a ficar fraca. A cada 3 minutos mais ou menos ela faz um “pii” que não me agrada nem um pouco… Depois de um tempo esse periodo diminui e meu desespero começa a aumentar. Pessoas normais ficariam com medo escondidas em um canto bem longe de mãos e gemidos. Prefiro ficar olhando de frente para o corredor da saida para a porta. Observar as mãos que querem me pegar me deixa mais vivo e alerta.

Vamos contar:

  • Meu celular desligando.
  • Ninguém que eu conheça vivo.
  • Zumbis que querem me pegar e não desistem de sair do meu encalço a 3 dias.

3 problemas, 3 dias, 3 horas sem amigos e familia viva, 3 minutos com um barulho infernal. Minha vida sempre foi cheia de grandes coincidências interessantes, mas em um momento tão crítico como esse tal coincidência não está me ajudando muito. Quando vejo começo a pensar e chorar copiosamente. Penso na minha familia, que saudade…

-Booom!!!

Um grande estrondo e eu me levanto com minha lança rustica que me conhecendo bem não serviria pra nada. Engraçado, ele tem 3 pontas…. enfim…

bam, bam, bam!

3 tiros saem lá de fora e junto o som de um carro em alta velocidade e por fim outro grande som de impacto. Ouço vidros quebrando, alguém bateu no estacionamento…

Tão distraido com o som que meus olhos não perceberam as mãos dos meus companheiros, agora sumidas da porta. Me aproximo vagarozamente e meu coração começa a bater acelerado como nas vezes que corremos demais. Incrivel, a sensação é identica! Até estou suando! Minhas mãos começam a tremer e quando olho para porta de frente nada. Tento buscar cantos no chão para ver algo e concluo que não existe nada lá. Zumbis não são furtivos acho. Nem ficam calados em tocaia. Ou ficam?

Eu tenho poucos minutos para quem sabe correr, mas para aonde eu vou? Eu percebo os tiros continuam lá fora novamente. Isso! Quem sabe não consigo ajuda com eles? Se não der certo eu corro de volta, é o unico jeito! Abro a porta correndo e saio de forma até desprevinida demais. Quando dou por mim já estou lá fora. Nada de zumbis furtivos hoje, ainda bem.

O corredor aonde estou não me dá muitas opções. Tudo lacrado ou não dando para lugar algum. Minha melhor chance é o estacionamento que tem a entrada a minha direita. Eu corro desesperado com medo de algo me parar e minha vontade de viver cega minha cautela. Se algo pular agora vai me matar, não vou saber reagir, somente correr. Chego a porta automática e ela não abre, mas está quebrada e cheia de sangue. Começo a atravessa-la e ainda me atrevo a olhar para trás aonde posso ver o segundo andar do shopping. Vejo alguns mostos vivos, sangue e tudo destruido, tudo muito rápido, mas com certeza vou sonhar toda noite com isso. Se eu sobreviver claro…

Saio no estacionamento e atrás de uma fileira de carros estacionados vejo movimento de zumbis do lado esquerdo de um carro e gente viva do lado direito do mesmo usando-o como bloqueio. Corro que nem um louco dando a volta e não passando por entre os carros logo de frente a eles. Incrível como mesmo sem querer, quis evitar os tiros. Não sei se isso foi esperteza ou algo já comum em quem é acostumado a tiroteio em favelas, coisa de carioca. Passo uns 3 carros e então atravesso para o outro lado só pra me sentir tão assustado com cena que meu corpo quase desaba.

Os 3 jovens acabam por ser agarrados pelos zumbis logo que consigo passar pelos carros, não ha mais salvação. Um deles ainda me vê e atira sua arma, uma 38 velha que cai na minha frente.

Eu começava a me levantar para vagarosamente fugir pela saida do estacionamento de onde o carro deles (um corsa) entrou. Isso é bom? Seria se um dos zumbis não tivesse observado a tragetória da arma. Que maravilha… Eu pego a 38 e o tambor estava aberto. 3 balas. Mais que merda… 3, 3 ,3 e 3… Tudo em 3 hoje.

Olho para trás e vejo a entrada por onde o carro entrou, ouço o som de zumbis entrando, sem chance de passar por ali. Na minha frente um zumbi começa a se aproximar rosnando quase que de prazer (e eu recuando quase que me cagando de medo…) e começo a ouvir novos sons vindos da entrada do shopping de onde cheguei aqui. Penso na minha mãe e peço ajuda a ela. Incrivel, poderia ser qualquer um, mas talvez só as mães possam dizer exatamente a coisa certa pra motivar um filho. Ninguém nos conhece mais que ela.

Eu olho para o carro e percebo a batida contra a grade do estacionamento. Olho para os zumbis. Escuto os sons, as 2 saídas que eu tinha se perderam. Nada de entrar no shopping. Nada de sair do shopping. Meu coração bate mais forte ainda, o zumbi esta chegando, ele começa a correr e acabo por encostar depois de tanto ir recuando na fileira de carros. Pense. Pense. 2 saídas bloqueadas, o que mais? Então o mundo para…

-bang!

Um tiro bem no meio da cabeça do maldito. Jamais faço isso na minha vida denovo. Pesado, o recuo jogou minha mão pra trás, nada é exatamente como nos filmes. Então eu corro.

-3! Eu grito correndo.

Corro em direção ao carro que nem um desesperado. Os zumbis que devoravam os 3 jovens se assustaram com o tiro…

-3!!! Eu grito novamente mais alto.

Penso na minha familia, aonde ela está agora?

-3!!!! Eu grito e os zumbis se levantaram, mas eu me lanço sobre o carro e caio pela entrada feita na grade. pequena, acabo por rasgar as costas, válido. Caido do segundo andar, poderia ser fatal, mas um caminhão de entulho ficava exatamente ali embaixo recolhendo a obra que o shopping estava fazendo. Isso a 3 dias atrás.

Minha terceira saída.

Pouca queda. Ainda doeu óbvio, mas era terra firme. Ou quase. Lá embaixo não tinha zumbis. Aquela área estava fechada por grades no dia da infestação. Chuva na época. Tudo ao meu favor, 3 vai ser meu número da sorte agora! Eu corro para a grade de saída e vejo um veículo do exercito limpando e procurando sobreviventes. Eu aceno e pulo a grade, estou salvo! Agora só rezo para encontrar minha familia e meus amigos vivos…

Aviso. Esse post não é real. Nada aqui aconteceu. Ele faz parte de um meme iniciado pelo Pop Dice. Fui convidado infectado pela Elisa do Pensotopia. Meus amigos infectados são:

A McZanini que é do AtsumiRPG e deve ter uma boa história para contar. O Bruno Peres do Pano de Fundo que de longe pode contar suas impressoes sobre a invasão. O Ronaldo do Hamister Tower que ta me devendo um desenho (sacanagem isso né…).