A cada dia que vivo, para cada coisa nova que felizmente acerto ou fatalmente erro, eu penso no meu pai. Será que ele passou por isso? Como ele resolveu aquilo? Não ha dia que não me pergunto sobre, até por que a cada dia percebo que a famosa frase “proferida” pelos nossos pais é uma grande verdade, “Quando você crescer você vai entender”.

Na realidade tenho a ligeira impressão que já sabiamos quando nossos pais falavam isso. Mas aquela proteção dada por nosso pais, aquele manto de conforto nos torna mais mimados que imaginamos. Hoje eu faço minha propria comida, passo e lavo minhas roupas e agora arrumo minha casa enquanto aguardo ansiosamente que minha linda chegue aqui em casa com meu filho. Sim, isso mesmo! Meu filho! Ele nasceu esse sábado e até agora não posso acreditar que o Miguel já chegou a esse mundo.

Antes que me perguntem, não recomendo a ninguém ter um filho por motivos “experimentais” em busca de uma revelação quase religiosa que mudará sua vida. Para ser pai tem que ser por mais que isso, filho não está na lista de coisas que toda pessoa nessa terra deve fazer, pelo menos eu acho. Não existe exame de admissão para pais, mas sinceramente muita gente sairia reprovada. Muda-se sim quando se torna um pai,  mas não todos, apenas os responsáveis, e como a Ana da Matilha me perguntou logo que contei que iria ser pai: “Como se sente não sendo a pessoa mais importante do mundo?

Desde que meu pai morreu, desde que ele pediu para minha mãe cuidar de mim e da minha irmã, esse pedido nunca saiu da minha cabeça. Nada seria mais “meu pai” que isso. Bem a cara do seu Inacio. Mas depois que meu pai morreu eu sinto que algo meu também morreu, é muito estranho explicar. É como se um orgão importante deixasse de funcionar e mesmo vivo você sente aquela falta lastimável. Nada sai mais do jeito que você quer e o medo… Ahhh o medo, quanto medo se sente…

Quanto medo eu senti desde que meu pai faleceu. Quando a morte chega tão perto e leva alguém que era tão importante para você fica difícil não sentir medo. É difícil planejar as coisas com a sensação que qualquer coisa que você faz pode te matar. Relógios então, o tempo parece sufocar, que coisa maluca…

Sim, se você lê isso e me conhece deve achar muito estranho. Pois é, não sou muito de falar essas coisas. Fora para minha linda, acho que não contei a mais ninguém esse momento maluco que passei.

E agora, como se alguém tivesse desligado a chave Tormento on e colocado no off aqui estou eu. Ainda triste por meu pai, mas sem aquele desespero que me incomodava. O fato de saber que algo de você fica ainda nessa terra que talvez me alivie. Talvez por isso alguns pais depositem tantas esperanças em seus filhos.

Quando eu olho para meu filho eu sei exatamente o que meu pai sentiu e a cada dia com meu filho, a cada briga, a cada sermão, a cada decepção, a cada alegria, vou lembrar do meu pai. Isso mesmo pai, fique ciente que “agora eu entendi”. Ta bom, vamos colocar assim, “Agora estou começando entender”. Não tenha dúvidas, se antes eu tinha orgulho de você, agora sei mais ainda o quanto você nos amava.

Seu neto nasceu pai!!! E ele é lindo demais (e sim, tem mais cabelo que eu e você juntos). Obrigado, muito obrigado!!!