D&D 4º edição


Em D&D 3.5 eu tinha uma imensa dificuldade para resolver o seguinte problema. Nos primeiros níveis calcular a dificuldade de uma perícia era notavelmente simples, 5 para coisas fáceis, 10 para medianas e 15 para difíceis. O problema todo era quando aquilo saia dessa escala. Dentro desses 3 níveis de dificuldade conseguimos com facilidade imaginar o que seria, por que esta dentro do nosso dia a dia, mesmo que eu adicione mais níveis entre esses três, não haveria problema. Níveis de nome “heróico”, “quase-impossíveis”,  são difíceis de imaginar principalmente se tratando de alguma perícia que você nem conhece na realidade.

Em níveis altos um jogador consegue efetuar sem esforço tarefas difíceis pois o foco de D&D são as façanhas épicas realizadas por seus heróis. O que era difícil para um personagem de nível 1 para um personagem de nível 15 pode ser extremamente ridículo e assim fica complexo para um mestre criar desafios no nível dos jogadores sem um parâmetro mais “palpável” que heroico, épico, megafodônico… Se ele não sabe o que é realmente um teste “difícil” para seu jogador fica complicado – senão fadado ao desastre – alguma idéia que tenha como chave um teste de perícia criar alguma difícildade.

Pois bem, lendo o livro do mestre de D&D4E (que comprei com meu grupo) descobri uma solução ridiculamente simples, ao menos para D&D 3.x.  A obsessão da nova edição de criar desafios de igual para igual aos jogadores permitiu um calculo simples para se obter o que é efetivamente difícil para seus jogadores.

Você consegue imaginar o valor de teste de arte da fuga de dificuldade ultra-mega-master-perfect-difícil?

A idéia é bem boba e muita gente já deve usa-la em suas campanhas. Você simplesmente pega o valor que o personagem joga para testar sua perícia normalmente e adiciona a esse valor a quantidade sugerida entre os 3 níveis de dificuldade (fácil, médio e difícil) e pronto! Você tem a dificuldade ajustada a capacidade do jogador! Vale lembrar que isso é um calculo específico para um jogador em uma situação específica, com um grupo essa dica pode não funcionar devido a diferença grande de níveis de graduações (valeu pela lembrança Balard).

Não entendeu? Vamos lá. Grunk é um guerreiro que somando seu bônus de Força, graduações e sinergias possui o valor 10 na perícia Natação. Se o mestre realmente deseja criar um desafio difícil para esse guerreiro ele pega o valor da perícia desse jogador (10) e nele adiciona o valor da dificuldade desejada (nesse caso 15 para difícil) totalizando 10+15=25. Para Grunk 25 é um teste difícil em natação já que ele precisa conseguir 15 ou mais em 1D20 para conseguir passar no teste.

O que D&D4E faz é simplesmente orientar o desafio de acordo com as capacidades dos jogadores, coisa que agora eles podem fazer melhor com suas classes bem mais equilibradas (pelo menos até os número de livros aumentar).

Perceba também que aqui não relatamos o porquê esse teste de natação ser difícil. Fica a cargo do mestre imaginar a origem dessa dificuldade, mas o realmente interessante  aqui é saber que para Grunk o teste vai ser com certeza difícil.

Variações desse calculo podem ser usadas. Quando penso na dificuldade acho interessante remover o bônus dado pelo modificador de atributo. Sendo assim se Grunk tem um modificador +2 em Força eu retiro esse modificador do calculo tornando a dificuldade igual a 10+15-2=23. Mas por que retirar o modificador? Por que o modificador de atributo é um fator que varia de criatura para criatura demonstrando suas capacidades individuais. É interessante não incluí-los para não desvalorizar o modificador, mais que isso, valoriza-lo ainda mais.

Como perceberam, não ensinei nada demais. Só estou mostrando aqui uma forma bem simples de dificultar as coisas para seus jogadores dentro de uma forma rápida de calculo. Coisas que você pode usar 3D&T, GURPS, Fudge e grande maioria de outros sistemas. Sempre é bom lembrar que tornar as coisas mais difíceis para o jogador não significa tornar a coisa mais chata. Os jogadores não precisam estar se dando bem sempre para que se divirtam.

Anúncios

Saindo um pouco das férias venho divulgar aqui a enquete feita pela equipe de tradução de Dungeon and Dragons da Devir que está saindo no Blog D3System (que não é um blog exatamente da Devir, mas quando faz enquetes assim me deixa meio confuso sobre o discurso “D3system não é a Devir”).

Minha classe preferida de cara foi o Warlord. Adoro classes estratégicas e tenho planos pra ela mais a frente, próximo ano explico. Fato que a galera ta quebrando o pau pra resolver o impasse. Qual a melhor tradução para Warlord?

De dia ele é Rufus BloodWar e de noite ele é Cassandra…

As opções são:

  • Militarista
  • Senhor da Guerra
  • Estrategista

Acho importante a galera interessada na quarta edição de D&D participar e acompanhar a disputa até pra evitar que daqui a alguns anos alguém tenha a falácia de reclamar que a Devir traduziu errado Warlord. O que não é muito difícil de acontecer…

Link da Votação: http://d3system.com.br/enquete-warlord/

O lançamento de D&D 4E foi básicamente o único hype que acompanhei e aproveitei. Foram 500 acessos diários ou mais e até hoje me rende bons acessos. Engraçado que o hype não foi acompanhado por “interesse monetário” eu realmente estava curioso sobre a nova edição.

Gerador da Sessão da Tarde Mode On

Nessa quinta-feira embarque em um grande sucesso do cinema: Wizards of the Coast é o dono de um sistema que acaba de pintar na área e vai sobrar uma tremenda confusão para todo mundo quando esse sistema resolve aprontar em uma alucinante jornada onde não vai faltar diversão e muitas roubadas!

Armadilhas e Ladinos em D&D 4ª Edição – Acho que vamos precisa de outro Timmy!

Post que mais gosto. Faço uma comparação entre a antiga função de um ladrão (o bucha que se fode nas armadilhas) e um programa de TV que passava no seriado Família Dinossauro. Vale a pena conferir…

Combos e Talentos de D&D 3.5 e D&D 4° Edição

Post antigo ainda em cima de boatos sobre a nova edição. Senão me engano, a primeira vez que me pronunciei. Junto vem uma crítica minha sobre o que não gosto na edição 3.5 de D&D.

Pra variar vaza o Download do PDF de D&D 4ª Edição…

Todo mundo falando sobre o Download que vazou. Eu obviamente participei do Hype, mas de forma menos direta. Hoje, observando com atenção o titulo vejo que ficou bem, bem, bem FDP. Não é a toa que ele recebe tantas visitas…

Como fazer três livros de D&D 4ª edição com molho “em inglês”

Diga direta de como comprar a nova edição de D&D via Amazon. Muito mais barata que a vesão nacional. Pra quem não gosta de traduções e não liga de ler em inglês é um prato cheio… Fiz o post para parecer uma receita de bolo, ficou bem divertido.

A Devir prometeu e atrasou, ta todo mundo falando sobre isso. Eu, obviamente, não posso deixar de reviver um clássico do Dados Limpos…

A deví é má cua genti dona…Dinovu…

 

Música de Fundo: Canção tema de escrava Isaura Versão Remix

(tumtumtum-tuti-tumtumtum) lerê, lerê, lerererererê… lerê, lerê, lerererererê (tumtumtum-tuti-tumtumtum)…

 

Rpgista: Mas nhonhô Deví… Eu só queru o Dugeo Dregus quartia edição pa jogá! Eu pagu senhozin! eu pagu!

Nhonhô Deví: E desde quando rpgista tem escoia?!? (Jambô?) Vai pro tronco rpgista safado!!!

RPGista: Não sinhozin! Não sinhozin!

(algema o rpgista no tronco e começa a chicotear… denovo…)

Nhonhô Deví: Vocês não tem escolha! Vai ler o que eu traduzi e no tempo qui eu escoiê!!!

RPGista: Mas ocê prometeu nhonhô Deví! Falou qui ia sai… (chicotada) arghhhhh….

Nhonhô Deví: Tu vai aprendê que quem manda aqui sô ieu! Eu nem preciso ixplicá! Todo mundo só fica esperandu!

Nhonhô Deví: Mais um mês de atraso! (chicotada)

RPGista: Não!

Nhonhô Deví: Dois mês de atraso! (chicotada)

RPGista: Não! Não!

Nhonhô Deví: Mais seis mês de atraso! (chicotada)

RPGista: Nãããããooo….

lerê, lerê, lerererererê …(tumtumtum-tuti-tumtumtum) lerê, lerê, lerererererê …(tumtumtum-tuti-tumtumtum)

 

Qualquer semelhança com a vida real não é mera coincidência… denovo …

Primeira Versão: http://dadoslimpos.criandorpg.com/a-triste-vida-de-um-escravo-do-rpg/

“Eu tenho uma pergunta!!! 

Como eu faço para criar uma bomba nuclear em Forgotten da 4º edição? Seria um ritual muito complicado? E depois de criada, como faço para detona-la???

CrazyChicken

bomba-nuclear1.jpg

Todos nós amamos saber que o download de Forgotten Realms 4E vazou. Agora olha só o que eles fizeram…

Olá a todos. Aqui estou mais uma vez. Dr. Orima. Diretor honorário das empresas ACME. Quinto cavaleiro do apocalipse. Cientista maluco, não mais de plantão. E blogueiro não profissional. Porque blogueiros profissionais são lendas neste país.

Estou aqui de volta mais uma vez, após um pequeno período de inatividade. Estive trabalhando em outros experimentos envolvendo as olimpiadas. Como por exemplo, uma tela azul durante a abertura, o impacto do roubo de uma vara no desempenho de uma atleta, e a transformação de um peixe em atleta americano. Nada que realmente interesse aos usuários deste fórum.

Bem, o usuário CrazyChicken me fez uma pergunta bastante inusitada (E que me faz entender o porque do crazy no nick dele). Como fazer uma bomba nuclear em Forgotten Realms, mais especificamente na quarta edição? O procedimento que vou ensinar a seguir, não serve apenas para Forgotten Realms, mas para qualquer mundo medieval. No entanto, devo avisa-los com antecedência: Crianças, não tentem isso em casa.

Primeiramente, este não é um ritual e muito menos uma magia. Alguns chamar o procedimento de “Macumba”. Logo, membros de qualquer classe ou raça podem realiza-lo. Os ingredientes são os seguintes:

–  666 fios de cabelos de mago. De longe, o ingrediente mais fácil de encontrar dessa lista. Se você for um mago, já estará na mão. Caso contrário é só surrar algum idiota de primeiro nível. Devo ressaltar que o número de fios de cabelo é importantíssimo e se não for respeitado, pode causar consequências terríveis.

– Um quilo de cérebro de barbaro.  É fato conhecido que você terá que matar muitos bárbaros para conseguir um quilo de cérebro, então este item pode ser um pouco dificil de ser cumprido.

– Um conjunto de escamas de Dragão. Pelo menos seis. Todas devem ser de cores diferentes. Quanto mais, melhor. Mas devo dizer que eu, Dr. Orima, sou contra a matança indiscriminada de seres tão indefesos.

– Uma dúzia de olhos centrais de observadores. Os olhos devem ser arrancados de preferência enquanto os bichos ainda estão vivos.

Algumas pessoas podem dizer: Isso não funciona no meu mundo! Meu mundo medieval não possui magos, bárbaros, dragões, e muito menos observadores! E eu respondo para essas pessoas: Vá jogar em algum mundo medieval de verdade e depois conversamos.

Pois bem, depois de juntar todos esses itens, coloque-os em uma sacola grande o suficiente para acomodar tudo. Em seguida, você deverá se dirigir à uma encruzilhada e dizer três vezes, em voz alta: “Bulngahuh”. Dessa forma, o demônio Bulngahuh, grande líder da dimensão das bombas nucleares irá notar seu esforço, e atender suas preces. Uma luz irá aparecer no céu, e uma bomba nuclear será lançada sobre sua cabeça. Você nem precisará se preocupar em detona-la, pois ela será detonada automaticamente.

Para finalizar, devo avisar que você vai ter todo esse trabalho, e no fim, não vai ganhar um único ponto de XP. E mesmo que ganhasse, provavelmente você não vai ficar vivo para aproveitar…

Dr. Orima – Responsável pela primeira guerra nuclear de Forgotten Realms.

Tem alguma dúvida, pergunta, ameaça ou sugestão para o Dr.? Pergunte para o Dr. orima no portal D&DBrasil.

 

logoddbrasil.gif

Finalmente os livros da quarta edição de D&D chegaram aqui em casa! Deem uma conferida:

p110608_2327.JPG

p110608_2328.JPG

p110608_232701.JPG

p110608_232801.JPG

Respondendo a especulações, o fundo é realmente branco e não mudou NADA do pdf que circula na internet. Se você gostou e quer jogar pra valer compre, vale a pena. Na duvida é só seguir minha receita de bolo de D&D

Enquanto eu respondia comentários de uma matéria sobre D&D 4E no Bym Adventures passei no Amazon para ver a quantas anda minha receita de bolo, percebo que ha novas coisas sendo vendidas sobre D&D 4E:

Martial Power: A 4th Edition D&D Supplement (D&D Rules Expansion)

Sem Capa Ainda.

Descrição do Amazon:

New options for fighters, rangers, rogues, and warlords.

This tome focuses on the martial heroes: characters who rely on their combat talents and keen wits for survival.

This book provides new archetypal builds for the fighter, ranger, rogue, and warlord classes, including new character powers, feats, paragon paths, and epic destinies.

Martial Power is the first of a line of player-friendly supplements offering hundreds of new options for D&D characters.

Tava demorando ¬¬

Adventurer’s Vault: A Guide to Weapons, Equipment, and Treasure for Your Character (D&D Supplement)

Sem Capa Ainda.

Descrição do Amazon:

Hundreds of new weapons, tools, and magic items for your D&D character.

This supplement for the Dungeons & Dragons game presents hundreds of magic items, weapons, tools, and other useful items for your D&D character. Whether you’re a player looking for a new piece of equipment or a Dungeon Master stocking a dragon’s hoard, this book has exactly what you need.

The book features a mix of classic items updated to the 4th Edition rules and brand-new items never before seen in D&D.

Um guia de armas e equipamentos? Para mim nunca interessou muito, mas vamos ver o que a Wizard tem para nos surpreender…

Manual of the Planes: A 4th Edition D&D Supplement (D&D Rules Expansion)

manual_planes.jpg

Descrição do Amazon:

If you seek to stem this tide of chaos at its source, follow my lead–I set out for the dreaded Abyss on the morrow.
–Lord Amgar the Bold, Paladin of Bahamut

The planes have always been a place of great mystery and danger in the Dungeons & Dragons Roleplaying Game, and the new array of planes debuting in 4th Edition continue that grand tradition. Home to gods and devils, demons and genies, fey and titans, these strange dimensions offer unlimited adventure opportunities for Dungeon Masters and their players.

This useful travel guide also comes in handy for players seeking to battle demons, devils, elementals, and other iconic D&D monsters native to the planes.

Meu manual dos planos é até legal, mas eu sinceramente não sei se compraria novamente…

Draconomicon I: Chromatic Dragons (D&D Rules Expansion)

Sem Capa Ainda.

Descrição do Amazon:

All about the most popular monsters of D&D–the dragons!

Draconomicon I: Chromatic Dragons describes several varieties of dragons, including red, blue, green, black, and white dragons, as well as three completely new chromatic dragons.

This sourcebook gives details of each dragon’s powers, tactics, myths, lairs, servitors, and more. In addition, this book provides new information about draconic nations (such as Arkhosia) and organizations, and how chromatic dragons fit into the D&D game. Wide-ranging story and campaign elements in the book give DMs ready-to-play material that is easily incorporated into a gane, including adventure hooks, quests, and pregenerated treasure hoards.

About the Author
BRUCE R. CORDELL is an Origins award-winning game designer for Wizards of the Coast, Inc., and co-wrote the new Forgotten Realms Campaign Guide. His long list of professional credits include the Expanded Psionics Handbook and Libris Mortis supplements.

ARI MARMELL has been shirking homework in favor of playing D&D since he was nine years old. Now a freelance writer, Ari has contributed to many D&D books, including Forge of War, Complete Mage, Tome of Magic, and Fortress of the Yuan-Ti.

ROBERT J. SCHWALB works as a freelance designer for Wizards of the Coast; his recent credits include Elder Evils, FiendishCodex II, and Exemplars of Evil, as well as numerous articles for D&D Insider. Robert lives in Tennessee with his incredibly patient wife Stacee and his pride of fiendish werecats, but is happiest when chained to his desk, toiling for his dark masters in Seattle.

Obvio, fez bastante sucesso na versão 3.5, agora querem repetir. Alias, eu achei que o Dragon do Dungeon and Dragon nessa edição foi ofuscado por suas mudanças mecânicas. Na outra edição se preocuparam muito em comentar sobre os dragões, nessa edição não lembro disso não. Vamos ver se esse se redime…

Próxima Página »