Tire seu D&D da geladeira (a quanto tempo você não o mestra amigo?), adicione uma pitada da quarta edição para dar aquele sabor novo e um pouco de Tagmar 2 naquela velha receita agora com gostinho renovado! Amasse bem o saboroso Pathfinder junto com Conan D20 (cuidado para não exagerar…) e deixe em uma panela separada esquentando até ficar no ponto. Junte tudo e acrescente água misturada a um pouco de 3D&T Alpha (para dar aquele gostinho oriental) e ferva bem até o cheirinho da campanha nova amortecer o seu nariz!

Seria loucura misturar Pathfinder, Conan D20, D&D 4e, e 3D&T? Pode ser que não! No começo de uma nova campanha nada mais justo de agregar tudo aquilo que é bom e transformar tudo em uma mistureba generalizada de todas as coisas…

Mistureba Generalizada de Todas as Coisas (MGTC):

O motivo pelo qual não são universos é que qualquer universo em particular não chega exatamente a ser uma coisa, mas sim uma maneira de compreender o que é tecnicamente conhecido como MGTC, Mistureba Generalizada de Todas as Coisas. A Mistureba Generalizada de Todas as Coisas também não existe na prática — é apenas a soma total de todas as maneiras diferentes que haveria para compreendê-la, caso existisse uma. Douglas Adams, Praticamente Inofensiva.

Tagmar 2

Me interessei pelo projeto Tagmar 2 e quando conferi o cenário do jogo fiquei impressionado. Um mapa super detalhado (tem até download de uma versão em alta resolução dos mapas) e descrições detalhadas dos reinos e cidades importantes. Decidi dar uma chance para o cenário e eu recomendo que vocês também deem uma chance.

Conan D20

Eu simplesmente fiquei apaixonado pelo sistema de combate. Regras de bloqueio e esquiva, versatilidade em escolher lutar corpo a corpo usando força ou destreza, redução de dano nas armaduras e um monte de outras regras interessantes! Conan D20 não é só bom por ter referência ao nosso barbaro tão amado, seu sistema é singular e vale a pena conferir!

Pathfinder

Continuarei usando D&D 3.x. Pathfinder é uma evolução bem vinda, mas como está muito recente e não tenho seu livro básico ainda não a abracei por completo. Tenho muitas esperanças ao livro que já está na pré-venda vendendo horrores

D&D4e

Quarta edição de D&D da grandes lições de designer, não é toa que Pathfinder aproveita algumas lições de seu concorrente. Ele pode ter mudado demais, pode não agradar a todos, mas falar que D&D quarta edição é ruim seria no mínimo mentiroso.

3D&T Alpha

Fiquei impressionado como o Bruno BURP pegou o 3D&T Alpha e transformou no indie duelo musical 3D&T Rock Band. Mais ainda por não ter percebido o potencial de 3D&T para simular uma grande quantidade de situações. Ler 3D&T Rock Band me fez pensar que 3D&T pode ser usado em outros locais ajudando a simular certas situações de forma mais simples. E vou usar isso na minha campanha. Quando rolar  lógico que vou divulgar por aqui!

Minha campanha

Minha campanha é isso tudo! E antes que me chamem de maluco é claro que você pode pegar emprestado lições e boas idéias de outros sistemas, o que nos impede de fazer isso? Claro que sempre existirão aqueles que não gostam de mexer em nada, mas posso garantir eu não sou esse cara!

Anúncios

A cada dia que vivo, para cada coisa nova que felizmente acerto ou fatalmente erro, eu penso no meu pai. Será que ele passou por isso? Como ele resolveu aquilo? Não ha dia que não me pergunto sobre, até por que a cada dia percebo que a famosa frase “proferida” pelos nossos pais é uma grande verdade, “Quando você crescer você vai entender”.

Na realidade tenho a ligeira impressão que já sabiamos quando nossos pais falavam isso. Mas aquela proteção dada por nosso pais, aquele manto de conforto nos torna mais mimados que imaginamos. Hoje eu faço minha propria comida, passo e lavo minhas roupas e agora arrumo minha casa enquanto aguardo ansiosamente que minha linda chegue aqui em casa com meu filho. Sim, isso mesmo! Meu filho! Ele nasceu esse sábado e até agora não posso acreditar que o Miguel já chegou a esse mundo.

Antes que me perguntem, não recomendo a ninguém ter um filho por motivos “experimentais” em busca de uma revelação quase religiosa que mudará sua vida. Para ser pai tem que ser por mais que isso, filho não está na lista de coisas que toda pessoa nessa terra deve fazer, pelo menos eu acho. Não existe exame de admissão para pais, mas sinceramente muita gente sairia reprovada. Muda-se sim quando se torna um pai,  mas não todos, apenas os responsáveis, e como a Ana da Matilha me perguntou logo que contei que iria ser pai: “Como se sente não sendo a pessoa mais importante do mundo?

Desde que meu pai morreu, desde que ele pediu para minha mãe cuidar de mim e da minha irmã, esse pedido nunca saiu da minha cabeça. Nada seria mais “meu pai” que isso. Bem a cara do seu Inacio. Mas depois que meu pai morreu eu sinto que algo meu também morreu, é muito estranho explicar. É como se um orgão importante deixasse de funcionar e mesmo vivo você sente aquela falta lastimável. Nada sai mais do jeito que você quer e o medo… Ahhh o medo, quanto medo se sente…

Quanto medo eu senti desde que meu pai faleceu. Quando a morte chega tão perto e leva alguém que era tão importante para você fica difícil não sentir medo. É difícil planejar as coisas com a sensação que qualquer coisa que você faz pode te matar. Relógios então, o tempo parece sufocar, que coisa maluca…

Sim, se você lê isso e me conhece deve achar muito estranho. Pois é, não sou muito de falar essas coisas. Fora para minha linda, acho que não contei a mais ninguém esse momento maluco que passei.

E agora, como se alguém tivesse desligado a chave Tormento on e colocado no off aqui estou eu. Ainda triste por meu pai, mas sem aquele desespero que me incomodava. O fato de saber que algo de você fica ainda nessa terra que talvez me alivie. Talvez por isso alguns pais depositem tantas esperanças em seus filhos.

Quando eu olho para meu filho eu sei exatamente o que meu pai sentiu e a cada dia com meu filho, a cada briga, a cada sermão, a cada decepção, a cada alegria, vou lembrar do meu pai. Isso mesmo pai, fique ciente que “agora eu entendi”. Ta bom, vamos colocar assim, “Agora estou começando entender”. Não tenha dúvidas, se antes eu tinha orgulho de você, agora sei mais ainda o quanto você nos amava.

Seu neto nasceu pai!!! E ele é lindo demais (e sim, tem mais cabelo que eu e você juntos). Obrigado, muito obrigado!!!

Caro Dr. Orima. Eu jogo RPG há algum tempo, e me divirto bastante com isso. Tenho um personagem legal, um ladrão de 18º nivel. Mas tenho um problema. Eu tenho o sentimento de que ele é um zé mané no mundo lotado de seres super-fodasticos que meu mestre criou. O que façou para me destacar? Como tornar meu ladrão uma lenda???

Anônimo

Leia o post e se torne uma lenda você também!

Olá a todos. Sei que vocês devem ter se esquecido de mim. Mas eu não guardo rancores, pois até mesmo eu tinha me esquecido de mim mesmo. É um dos maiores problemas de se ter multiplas personalidades. Mas não deixarei que vocês se esqueçam: Pois sou o único, inigualavel, onipotente, Dr. Orima! Mensageiro da improbabilidade, aquele capaz de ver aquilo que nem os deuses conhecem, senhor das galáxias distantes, grande nome do século XXIII, dentre outros títulos que guardarei para ocasiões adequadas.

Estou aqui, depois do período de recesso, para responder a dúvida de nosso querido jogador anônimo. Ele está com um problema grave, que aflije muitos jogadores de RPG (E não tem nada a ver com ejaculação precoce): Como fazer com que seu personagem consiga deixar sua marca em um mundo povoado com coisas extraordinárias? Como fazer com que ele seja uma lenda, no nível de personagens como Elminster, Mestre Arsenal, ou até mesmo o fantástico palhaço Bozo?

Algumas lendas nunca morrem…

Estou aqui para tentar jogar uma luz sobre o seu problema… Em primeiro lugar, analise o mundo no qual vocês estão jogando: Há coerência no nivel de poder dos personagens? Seu grupo de personagens anda apanhando de qualquer grupo de camponeses que aparecem por aí? Todos NPCs são autores de feitos heróicos fantásticos, enquanto os jogadores ficam olhando para o mestre com cara de paisagem? A taxa de mortalidade do grupo é de cinco personagens por seção de jogo (Sendo que o grupo é formado por quatro jogadores)? Se a resposta foi positiva, a solução é simples: É hora de depor o mestre atual. Tentem escolher alguém que não tenha histórico de psicopatia para ser o próximo mestre.

Mas caso a culpa não seja do mestre, então algo está errado com seu grupo de jogadores. Ou com você. O próximo passo é verificar se esse é o caso: Veja se você é o único cara apagado da mesa. Vejam se as pessoas não costumam falar do glorioso grupo de aventureiros épicos, e esquecem do ladrão furreca. Ou então, perceba se os outros jogadores não são cheios de mistérios, plots e aventuras, enquanto seu personagem é ignorado pelo Kobold da esquina. Neste caso, podem ser dois problemas: Seu mestre pode não gostar de você, ou seus amigos serem bem mais talentosos que você na arte da interpretação. No primeiro caso, a troca de mestre se aplica novamente. No segundo [Piada irônica]alguns assassinatos devem resolver tudo. Afinal, não há como não ser o melhor, se você for o único, certo?[/Piada irônica]

Antes de continuar, devo deixar bem claro: A tag piada irônica indica que a frase é irônica. Apenas um aviso para os idiotas que insistem em difamar o RPG, e podem achar, graças a uma falha no teste de percepção, que estou falando sério.

Caso isso não se aplique, chegamos ao terceiro caso: Não há problema nenhum. A situação normal. Neste caso, tudo depende de você! Interprete! Crie um background foda! Aproveite ao máximo suas habilidades! Faça feitos realmente épicos (Não aquelas besteiras todas de salvar o rei ou o mundo, isso qualquer aventureiro faz uma vez por semana). Elminster não seria ninguém se fosse controlado por um Player banana. Não seja um deles!

Dizem que ele também pedia conselhos ao Dr. Orima…

Agora, caso não dê certo, ande por aí gritando, com uma melância pendurada no pescoço. Você ficará conhecido pela eternidade, como parte da “Lenda do ladrão idiota que morreu gritando enquanto andava com uma melância pendurada no pescoço”.

Dr. Orima, aquele que mestra em mundos nos quais até os camponeses são de nível épico.

Possui alguma dúvida sobre RPG? Tem tido problemas em sua vida amorosa? Está cansado de tudo e quer conselhos? Mande um e-mail para sociophobia42@gmail.com e talvez Dr. Orima possa te ajudar…

Não é segredo nenhum que os errepegistas roubam…

Fala sério, você realmente não acredita que aquele nerd bundão quatrolhos do seu grupo, consegue destroçar a tribo de Beholders, escapar de 3 armadilhas mágicas, não se perder no labirinto do fauno, passar no teste contra licantropia de Imotep, reastrear o inimigo que não deixa pistas, destruir o escudo inquebrável do dragão, convencer o dragão lich ancião lendário a entregar a princesa sem lutar e no final olhar a ficha dele e perceber que pra fazer isso, ele perdeu 7 pontos de vida, enquanto você na dungeon ao lado ainda está retido, com 4 PVs, lutando que nem um trouxa contra os dois goblins saqueadores que estão tentando roubar seu único PO.

Isso não existe

Isso não existe

Na hora que você começar a ver coisas como essa na sua mesa. Pode pensar na boa: “Ele convenceu o dragão. Filho da mãe… tá roubando!!!”

Ora meu amigo! Só existe uma explicação para isso, ele rouba!!!

Não posso dizer que o cabra está errado, na verdade, o bundão é você, que se mata tentando cumprir todas as missões de uma forma justa, virtuosa, valorosa, paladina, ema, aviadada, aboiolada e homossexualizada.

Somente para fins de informação, vamos revelar, qual são as principais situações onde os errepegistas com certeza roubam, sem a menor sombra de dúvida. Conforme as situações forem surgindo, o mestre com certeza vai lembrar dos jogos aonde esses fatos ocorreram e pode querer tirar satisfações com o jogador. Obviamente o player não se lembrará que roubou, nem puxando muito pela memória. Obviamente também, seu próximo personagem acabará morrendo num acidente terrível e inexplicável, após derrotar o dragão dourado, terminará por falecer de maneira agonizante em decorrência do tétano adquirido ao perder aquele 1 PV no arranhão conseguido através da lâmina enferrujada do canivete roubado do goblin bandido.

Se qualquer das situações listadas abaixo tiver ocorrido em seu grupo, lembre-se: “Isso não é mera coincidência”, o jogador roubou mesmo, e na cara de pau.

O inimigo rola o dado e acerta o golpe. O mago conta seus PVs e sobrevive.

O mago inimigo tenta dar uma sugestão simples ao guerreiro. O guerreiro olha para a sua ficha e passa no teste de vontade.

O ladino na ponta dos pés aproxima-se do bárbaro distraído, e com seu poderoso ataque furtivo, o mata em um golpe só.

O paladino invejoso, no calor da batalha, concentra todo o seu ki/cosmo/chakra em um único ataque abençoado pelos deuses e enfim, consegue causar mais dano que o guerreiro.

O ladino é descoberto pelo dragão avatar sumo-sacerdote do deus do ódio, protetor do pântano do terror e, magicamente consegue convencê-lo de que não estava alí para roubar o seu tesouro, mas sim para fazer novas amizades.

O clérigo não-épico, vê seu amigo bárbaro caindo desmaiado, e com sua reza secreta, consegue de uma forma misteriosa, devolver todos os seus pontos de vida.

O ranger boladão, encontra-se numa situação onde seu animal amigo não pode salvá-lo, nesse momento, usando toda a sua força de vontade e sabedoria popular, ele lembra… que tem uma magia útil.

O bardo se vê numa enrrascada contra o kobold surdo. Ele olha firme para o seu inimigo, cai no braço rolando pelo chão e inadivertidamente… vence.

Numa batalha mágica pelo domínio da Floresta Negra, o ranger bolado derrota o mestre dos druidas… dentro da Floresta Negra.

10º Na hora de recitar as palavras mágicas para ativar o seu ítem maravilhoso, árduamente recém-conseguido, o bárbaro do grupo descobre como por encanto… que sabia ler!!!

11º Após derrotar o cruel necromante, o paladino encontra-se na dúvida, se atende ou não o pedido do inimigo caído e desamardo para ajudá-lo a levantar-se. Lembrando-se de um certo ensinamento de um tal mestre do oriente, o guerreiro sagrado degola o débil mago das trevas e então levanta seu corpo como foi pedido.

12º O feiticeiro poderoso, entra no calabouço dos beholders, e… sai.

13º O membro mais sagaz do bando, resolve jogar de monge, e todos soltam uma sorriso de admiração e espanto, quando percebem, que o monge, é o personagem mais forte do grupo.

Se quaisquer das 13 situações listadas, ou alguma semelhante ocorreu em vossas mesas, não fiquem cabisbaixos, mas aprendam com seu autor a se virar, afinal… ele apenas roubou, e de forma “decente”.

Volume 1

Detroit Metal City ou simplesmente DMC é um mangá de Kiminori Wakasugi e será um espetacular exemplo para os fãs do 3D&T Rock Band de como rolar uma aventura de forma engraçada no cenário do Metal.

O personagem principal (Negishi Souichi) é um músico timido e frustrado que busca sucesso com baladas leves e românticas, mas acaba (vai saber por que) se tornando o principal integrante de uma banda de Death Metal. Com suas engraçadas aventuras e seu talento natural para a música atuando como o satânico vocalista e guitarrista Krauzer o segundo, ele consegue (sem querer) abrir caminho para que sua banda cresça cada vez mais no cenário do Metal. Para seu desespero é claro…

Os personagens maquiados da banda são uma clara homenagem a banda Kiss. Tanto que no filme (sim, isso mesmo, filme!) Gene Simmons, baixista e vocalista da banda participa como o “demônio do Rock”.

Krauser segundo e Gene Simmons

O Jogo

Usando o tema do mangá, alguns personagens (não necessariamente todos os jogadores) poderiam ter uma vida dupla, tocando uma vida pacata e totalmente diferente da agitada e subversiva banda da qual fazem parte. Os outros jogadores podem ser integrantes da banda já adeptos ao Death Metal e por isso mesmo têm o papel de infernizar a vida dos pobres jogadores de vida dupla quando estão fora dos palcos. O mestre poderia presentear os jogadores por boas interpretações em ambos os lados.

Mamãe?? Logo agora???

Uma apresentação de Death Metal em jogo

O público do Death Metal é exigente cobrando demonstrações de anarquia no palco constantemente. Comer morcegos, fingir-se de morto no começo da apresentação, humilhações a integrantes da platéia.  O mestre pode usar todo o fator cômico que essas apresentações exageradas deixando os jogadores em mal bocados. O morcego falso que você come é de um doce que te faz mal durante a apresentação, na hora de fingir de morto algo nos efeitos especiais falham e a cusparada que você deu no fã não deixou ele muito contente…

Uma regra opcional para apresentações de bandas de Death Metal é a utilização obrigatória de no mínimo uma manobra Movimento Impressionante por ponto de Armadura da platéia durante a apresentação. As manobras representariam aquela entrada ou momento radical aonde a banda ou o vocalista fazem algo extremamente louco como todo show clichê de Metal pede. Caso a banda não seja bem sucedida em sua manobra (ou ela simplesmente não faça a manobra), o público fica entediado logo após a primeira música  e irá atacar com sua FA os músicos, mesmo que a platéia perca na disputa FA do músico versus FD da platéia.

A banda pode fazer um Movimento Impressionante conjunto reduzindo em um para cada membro da banda envolvido no movimento. Nesse caso, como nas regras normais, usa-se a FA do personagem da banda de pior resultado.

Apresentação conjunta from hell...

Apresentação conjunta "from hell"

O mestre deve incentivar Movimentos Impressionantes criativos e diferentes. Ele pode desconsiderar os testes de Movimentos Impressionantes já manjados pelo público.

Exemplo: O público de hoje da apresentação da banda Master Zombie é um público mais antigo e por isso mesmo mais exigente. A Armadura 3 da platéia exige que pelo menos 3 Movimentos Impressionantes sejam realizados pela banda caso contrário começaram a ficar insatisfeitos com os jovens rapazes.

Johnny D. Blood, Kratus e Mr. Carnage resolvem improvisar uma batalha sangrenta (e falsa) com misteriosos ninjas que surgiram no palco para destruí-los a mando do “Lord Demônio”. A performance armada seria logo no começo da apresentação para impor presença e o show correr de forma tranquila (eliminado de cara a chance da Armadura do público aumentar por insatisfação). O que eles não esperavam é que os ninjas que seriam seus amigos foram “oportunamente” substituídos pelos integrantes da banda Apocalipse que está interessada em desmoralizar a banda…

Novo Duelo Musical – Fuck Contest

O duelo “Fuck Contest” ocorre normalmente entre vocalistas de bandas rivais, ganha quem conseguir pronunciar por mais tempo em suas vozes poderosas, por diversas vezes, a palavra “Fuck”.  O duelo em si é mais um duelo de resistência exigindo fôlego e vontade.

Considere o Duelo de Fucks um combate de 3D&T normal, mas sem manobras ou vantagens, apenas FA versus FD. Contudo existe uma duração limite. Cada jogador consegue se manter no Fuck Contest um número de rodadas igual sua Resistência (nesse caso Vontade no Rock Band), depois ele ficará sem ar!

Para aumentar o drama da disputa para cada 5 PVs retirados do adversário considere que ele perde 1 ponto de resistência ficando menos uma rodada do normal na disputa.

Como em combates normais, os jogadores podem gastar pontos de experiência para maximizar e auxiliar sua permanencia na disputa seguindo as regras normais de 3D&T Alpha.

Nota: Nada impede que a palavra “Fuck” seja substituita por qualquer outra infame palavra usada. Kill, Rape, Death, entre outras palavras esquisitas…

Finalizando, a apresentação de Gene Simmons no filme DMC!

Mestre:

Você caminhava sereno sobre os ossos de seus antepassados com passos leves e despretenciosos. Você conhecia aquele vasto campo de morte, aquela neblina vermelha, aquele cheiro de sangue forte irritando seu nariz. Era o campo batalha aonde reside a alma dos seus antepaçados e companheiros que abraçaram a fúria e usaram do aço para ganhar suas vidas.

Você se aproxima de uma figura familiar, sentada a uma pilha de ossos. Era seu pai, com longas barbas brancas e olhos demonstrando claro orgulho. Vocês estão finalmente juntos após anos da sua partida, uma morte triste e dolorosa lamentada demais por ti. Pelo menos até agora.

Seu pai estende as mãos para abraça-lo, não ha lágrimas, mas sim um leve sorriso naquela fortaleza que foi seu exemplo de vida.

Jogador:

Me aproximo dele e:

Peitinhoooooooooooooooooooooooooooo!!!

Jogador de RPG não precisa consumir alcool, cheirar nenhuma substancia ilegal ou coisa parecida para fazer palhaçada em uma sessão. Não sei se é culpa da coca-cola, ou toda a outra besteira que se consome. Minhas mesas sempre foram bem humoradas, parte culpa minha que não consigo deixar as coisas passarem sem uma piadinha engraçadinha aqui ou lá.

Mas tem certas piadas que quebram totalmente a concentração do momento e quando elas acontecem das duas uma:

1) Todo mundo ri, por que foi tão estranho o acontecimento que não teve como ignorar.

2) Alguém vai ficar muito irritado com a piadinha…

Quando o grupo já tem um histórico constante de piadas (de oportunidade) nada de errado vai ocorrer e a opção 1 acontece naturalmente. Alias, na maioria das vezes a opção 1 vai imperar.

A opção 2 acontece em grupos dispostos a jogar algo mais profundo, abrindo caminho em experiências mais sérias (ou você acha que chutar bundas te insere no hall dos maiores pensadores do seu tempo?) e acabam por descobrir um “estranho no ninho”, uma pobre ovelha negra que não segue o pacto de comportamento estabelecido entre o grupo e acaba irritando o mestre e os jogadores.

Convenhamos, quebrar uma historia com uma piada não é bom em todas as mesas, sejamos cuidadoso, POR FAVOR. Senão pode apostar, quando você chegar próximo de uma mesa de RPG  de alguns conhecidos alguém com certeza irá falar:

-Lá vem o Joselito…

E isso você não quer que falem de você não é?

Não é?

Nota: O termo Piada de oportunidade tem direitos reservados ao CF do Covil e suas ótimas tiras sobre RPG.

Dizem que o RPG vicia…

Não é de hoje que nossos habitos nerds são considerados anticoncepcionais (assim como usar pochete, pelo amor de Deus!). Não sei não, já até li uma matéria que relatava que garotas nerds transam mais que outras garotas, só que os namorados delas estatísticamente não são nerds. Discordo um pouco dessa história, até por que toda garota nerd que conheço até hoje está muito bem arranjada com seu querido nerd.

Se você quer mais um novo motivo para odiar a quarta edição, tá ai. Ou não…

Nota: A dica foi dada pelo Balard do Mestre e a Pinguin via twitter e virou sucesso automático. Estou caçando o autor da tira, mas até agora não achei. Quem conhecer a referência, por favor me avise para eu devidamente creditar?