Tudo começou com A Torre. Todos pontos convergem a torre, todos os caminhos levam a ela. O mundo seguiu a diante e o rei rubro, o mal, o olho que tudo vê tenta destruir a torre. O mundo (ou melhor “os mundos”) estão em perigo e  a esperança (Apesar da palavra mais apropriada para tudo isso seja Ka)  está em um pistoleiro. O ultimo deles. Vindo de Gilead, o celeiro desses paladinos ele carrega consigo o sangue de Eld.

O homem de preto fugia pelo deserto e o pistoleiro ia atrás

A Torre Negra é um romance de Stephen King com esdruxulos 7 volumes. O que se tem a contar em 7 livros é tudo o que ha de bom e ruim nesse autor. Digo isso por que nota-se algumas falhas quanto a historia, muita confusão e muita coisa que as vezes é pouco explicada. Por outro lado, a mitologia criada por King é uma mistura de tudo que ele fez durante todos esses anos, de tudo que ele ama. Pistoleiros, monstros assutadores, espiritos, robos. Tudo unido criando um mundo de fantasia bem original.

Muito pode-se discutir sobre A Torre Negra e minha campanha surgiu em sua homenagem e assim ela continuará…

Gerador da Sessão da Tarde Mode On

Nessa sexta-feira embarque em um grande sucesso do cinema: Phil Souza é o mestre de uma turma que tem um talento muito especial e vocês verão uma tremenda confusão para ninguém botar defeito quando essa galerinha resolve embarcar em uma eletrizante viagem onde não vai faltar aventura e muitas enrascadas!

Coisas que escrevi sobre Torre Negra:

Existe originalidade no RPG?

Aonde encontrar originalidade em uma partida de RPG?

Mortes Memoráveis

Post empolgado com o fim da primeira parte do ultimo livro da Torre Negra. Não gosto muito do post por que ele perde um objetivo prático e vira local pra elogiar o acontecimento. Contém spoiler obviamente.

Idéia de Campanha – Parte I

Uma fogueira é o simbolo da minha campanha. O mesmo se vê dentro dessa história de King.

Literatura e Lixo Literário

Até aonde se deve dar créditos a críticos ou a  qualquer crítica alheia quanto a literatura que pretendemos ler?

Estou lendo a quase 1 ano a saga de Roland Deschain, O ultimo pistoleiro da grandiosa linhagem de Eld e suas aventuras pelo Mundo Médio e outros mundos além deste para encontrar a Torre Negra… Torre Negra é uma saga dividida em 7 livros escrita por Stephen King aonde ele mistura cultura pop, antigos contos de infantis e uma cultura própria que surgiu de seus livros fazendo constantemente referencia a antigos contos seus…

Por que falo isso? Por que ao terminar de ler o primeiro capitulo do ultimo livro simplesmente intitulado de “A Torre Negra” tive a mesma sensação que tive ao ler o começo do quarto livro “O Mago e o Vidro” aonde se encerra o duelo de adivinhações entre Roland e seu grupo e o maníaco monotrilho Blaine… Se eu pudesse parar a historia dali eu pararia sem remorsos… São momentos tão incríveis que duvido que até mesmo o próprio King não tenha se surpreendido consigo mesmo…

O que fala o primeiro capitulo do Livro 7? A morte de Padre Callahan…

Por que uma morte pode me parecer tão interessante? Simples, Padre Callahan se mata… Mas como assim?

(Atenção o que vou contar agora é um Spoiler, não leiam se assim quiserem…)

Padre Callahan é um personagem de King que surge no livro “A Hora do Vampiro” aonde após eventos diversos acaba por ser humilhado pelo vampiro da historia e foge contaminado com seu sangue e sem nenhuma fé em seu Deus… Padre Callahan, o alcoólatra, começa a vagar por ai e acaba por cair em outros mundos e outros quandos dos Estados Unidos… Percebe que após beber o sangue do vampiro se tornou mais próximo daquelas criaturas das trevas e era capaz de ver a misteriosa aura que os evidenciava. Passou a matar vampiros e em conseqüência começou a ser perseguido por eles e seus aliados, os quebradores, servos do Rei Rubro, aquele que quer destruir a Torre Negra. Mais que isso, Callahan se descobre homossexual após se apaixonar por um companheiro do abrigo que ajudava, mas o vê morrer nas mãos dos vampiros… Acaba após muito tempo vagando sem rumo sendo pego, mas antes de morrer na mão de seus antagonistas se joga do alto do prédio onde estava preso se matando.

Ao invés de morrer acaba em outro mundo, em uma vila, uma vila chamada Calla, aonde ele encontra Roland Deschain e seu grupo e finalmente encontra seu destino…

No ultimo livro Callahan se encontra na frente do Dixie Pig, um restaurante que é reduto secreto de vampiros e servos do Rei Rubro e então Callahan recupera sua fé. E por que? Por que todas suas duvidas, tudo aquilo que ele ainda não havia sido, mas havia dentro dele, o homossexual, o alcoólatra, o errante, o matador ou seja lá mais o que for ele viveu, ele encontrou. Padre Callahan viveu e pode finalmente por na balança sem duvidas sua fé e perceber que sua falha contra o vampiro anteriormente foi por não confiar em si próprio e por fim se apoiar em símbolos… a fé está nele, isso é um principio básico que mesmo alguém não sendo religioso deve conhecer.

Que acreditar em você é o primeiro passo, mas se você ainda não viveu tudo que precisa às vezes isso pode ser difícil…

E Padre Callahan viveu e sozinho combateu um grupo de vampiros e quebradores e após não ter mais para aonde ir atirou na própria cabeça… Não seria pecado mortal se matar? A mensagem ali deixada por King vai além dos Dogmas, Padre Callahan sabia quem era, agora ele confiava nele… Complicado explicar mas ali ele foi muito mais verdadeiro que qualquer personagem que já conheci, por que se matou e pela segunda vez cometeu um pecado mortal, mas dessa vez sem exitar. Padre callahan havia reencontrado sua fé e sabia que Deus estava com ele… Palmas para Callahan…

Nunca tive um jogador que teve uma morte simbólica… Isso normalmente envolve a historia do próprio personagem ou a sorte do combate final ser empolgante. Existe lógico um “fator sorte” para ter um final memorável acredito, mas caso você possua um bom background é muito mais fácil de tornar sua morte lembrada. Padre Callahan jamais sairá da minha mente. Foi a única vez aonde concordei plenamente com um suicídio, era o que deveria ser feito, era o que Padre Callahan deveria ter mantido intacto. Ainda me lembro que antes de entrar no beco, Callahan pergunta a Jake mais ou menos assim:

“Será que após isso tudo me torno um pistoleiro?”

A Sati certa vez em uma sessão de RPG me perguntou se Migor, a devoradora de olhos não seria a palantir de Vinn. Na realidade não. Baseei Migor em um dos 7 arco iris do mago “maerlin” criados para servir o Rei Rubro, na série épica, A Torre Negra de Stephen King. Ela era capaz assim como Palantir de se utilizar de Clarividência, mas digamos que era uma clarividência diferente… São seus “olhos” que viajam para aonde a pessoa deseja ver e a pessoa verá pelos olhos da criatura capaz de enchegar que se encontra mais proxima. me pareceu diferente e isso explica o nome “devoradora de olhos”. Se o artefato não for utilizado de forma correta as orbitas dos olhos do usuário estouram por qu a viagem não tenha ocorrido da forma que devia…