Ando meio atarefado, mudando algumas direções em minha carreira profissional, lendo mais, escrevendo mais… Tentei criar um blog no blogger e olha que coisa engraçada que me aparece:

Clique para ampliar….

Até no nome do meu blog os texugos aparecem. Assim eu choro…

Entre Texugos e sindrome de caçadores de golfinho, mimimis e outras doenças, o RPG sobrevive no Brasil e lá fora (melhor falar “lá fora e aqui no Brasil”, ordem de grandeza sabe…). Mas pior que doença é o estranho fanatismo que o jogador desenvolve por seu sistema favorito.

Existiu um boato de que houve um movimento que tentaria tornar RPG uma religião. Melhor não. Por que não dou um dia para uma “reforma protestante” acontecer e para um lado iriam os D&Distas, para o outro os adoradores do santo Storytelling e por ai vai. Existe uma ligação tão pessoal entre o jogador e seu sistema de RPG que fica muito difícil para certos indivíduos olharem além daquele seu mundo.

Murilo é fã da White Wolf. Para ele Storytelling é a perfeição na terra…

Pior que crente de praça (eu vou apanhar depois dessa) eles tentam convencer a todos que o sistema/cenário deles é o melhor, que ele é perfeito, único, inacreditável. Em listas de discussão esses são os mais chatos. A proposta do sistema deles sempre será a melhor, não adianta questionar, argumentar. Perda de tempo garantida.

Cada sistema, cada proposta de jogo, atrai um tipo de jogador. Algumas são mais populares que outras, é verdade, mas cada RPG tem seu público que acolhe por n motivos. Infelizmente não são todos que conseguem perceber que ha uma diversidade de gostos diferentes e o seu gosto pessoal não necessáriamente é o melhor.

Didio é jogador de D&D 4E, o sistema (segundo ele) que é melhor que qualquer encarnação de D&D…

É claro, existem sistemas que possuem uma facilidade imensa para atrair texugos dos mais atrozes, mas não significa que jogar D&D (ops!) nos torne jogadores ruins, longe disso! O que falta é tolerância e bom senso para perceber que:

  • Seu sistema pode ter erros.
  • O sistema que você não gosta simplesmente por gosto não necessáriamente tem de ser ruim.
  • Se uma alteração foi feita no novo sistema ela não precisa ser necessáriamente a única que pode revolucionar/resolver o problema.
  • Não gostar do seu sistema não é xingar sua mãe. Estamos falando de um jogo.

Essa falta de bom senso acaba afastando pessoas da comunidade do RPG por que não aceitam comportamentos tão cabeça dura ou preconceituosos. Como já vi de gente que fala de jogadores de Defensores de Toquio ou de D&D, muitas das vezes sem ter noção do que está falando. Agressividade só demonstra falta de razão, algo muito carregado de gosto pessoal e por isso mesmo longe de ser realidade.

Infelizmente acho muito difícil a coisa mudar. Essa coisa de “O meu é maior que o seu”, de “não gosto disso então não presta” é comum no comportamento humano. Esse problema com o RPG e sua variedade é só a ponta do iceberg…

Então o que fazer? Ignorar. Deixar esse povo para trás e que Darwin faça o seu trabalho. Eu que não vou perder tempo em fórum, listas ou blogs para convencer xiiita que não gosta de Anime que D&T pode  proporcionar uma boa experiência de jogo. E ele pode.

Que elas fiquem com suas verdades absolutas. Eu humildemente prefiro jogar RPG.

Ps. Só me falta algum homem-bomba pela causa do sagrado GURPs se jogando contra a loja da Devir durante os próximos EIRPGs…

O Alberto (20pegar) – que ainda mantém a curiosa estatística de 2 críticos por sessão – viajou começo do ano para Bahia e lá teve incríveis revelações sobre os texugos que povoam o mundo dos jogadores de RPG. A descoberta ocorre após ele encontrar um antigo animal de pelucia que era dele, reparem no dialogo:

Mãe do Alberto: Olha esse é seu antigo animal de pelúcia Alberto.

Alberto: Humm. Caramba, que bicho é esse?

Mãe: Não lembro. Senão me engano é um Texugo.

Eis a foto comprovando:

texugo1.jpg

Quem diria…

texugo2.jpg

Está agora comprovado de onde vem todos os críticos do Alberto. Eles ensinaram pra ele…

Fiquem calmos. Não estou ficando doido, esse titulo tem uma boa explicação.

Em uma conversa pelo msn com meus jogadores após contarem uma aventura rápida feita entre eles sem mim veio a perola:

Jogador: Ah sim! ai ele usou Metamorfose Torrida no Warlock ai ele virou um Texugo.

Jogador 2:O mais bizarro é que mesmo assim ele ainda mantem os poderes, ai ele virou um Texugo voador soltando blast na gente…

Phil: o_O

Todos vocês, como eu, leram “Texugo Voador disparando Blast”?

Adoro saber o que os meus jogadores fazem quando não estou por perto por coisas desse tipo. Não que eu não me divirta muito com eles, mas são coisas desse tipo que me emocionam…

Caso queiram entender, Metamorfose Torrida é uma magia Clerical que transforma o adversário em uma criatura inútil, um peixe, um cachorro… Ou um texugo como o caso. O fato é que de acordo com certos testes você mantém suas capacidades de ataque mesmo transformado, permitindo então que um personagem da classe Warlock (bruxo) continue usando suas rajadas de energia na forma de texugo

Cut, cut…

O RPG as vezes cria essas situações bizarras e com certeza divertidas. Vejo que isso acontece principalmente quando os jogadores mestram. De alguma forma eles destroem o bom senso, mas acabam sendo mais ousados que os mestres. Creio que talvez o mestre tenha que jogar um pouco também, isso é bom para deixar sua mente menos limitada, isso pode acontecer.

Mas vou parar com essa discussão de mestre e jogador. Por mais estranho que pareça o tema central desse post são os TEXUGOS…

Quem já jogou D&D acredito eu já percebeu que os texugos são figuras comuns nesse cenário, estão em toda parte, em todo canto. E mais, muitos jogadores são texugos… Ai vocês me perguntam… Como assim Phil?!? Texugos? Vou explicar:

Carisma: Unico atributo de interação social em D&D. Motivo de críticas por muitos jogadores devido a ele estar sozinho no sistema. Quando você vê a relação de números de atributos no Livro do Jogador de D&D ele possui uma classificação que compara misteriosamente com animais e monstros. O Carisma entre 6-7 descreve você exatamente como tendo um carisma de um Texugo

Diga-se de passagem, sempre dei liberdade para meus jogadores fazerem o personagem que quiserem. Em resumo, os guerreiros eu sua maioria são verdadeiros “Texugos”. Quem já jogou D&D sabe como a maioria brinca com a ideia da utilização do carisma, principalmente entre os guerreiros: “Carisma pra que? “

Um ladrão Texugo prestes a dar um ataque furtivo. Medo…

Fato é que para mim, Texugo virou sinonimo de personagem mal feito (não que todos os do meu grupo estão, não é isso… ), ou jogador extremamente ofensivo, sem muita ou nenhuma existencialidade. Sem o menor objetivo de vida. O famoso “mataram meu cachorro quero vingança…”. Na campanha anterior contei aqui no blog que dei aos meus jogadores o direito de liderar um exercito mercenário que se autoentitulava A Legião Negra. Eu brincava constantemente com a ideia de uma verdadeira legião de texugos. Agora eu cada vez mais acredito que não esteja tão errado…

A Legião Negra, um poderoso exercito mercenários de…Texugos…

-Criatura Invocada: Texugo Atroz Celestial

Assustador não?

Acreditem, isso existe. Ele pode ser invocado no nível 3 de Invocar Criaturas e não duvido que exista em outras magias que invocam criaturas similares que também o chamem. E pior, o Texugo Atroz, que é um criatura média (ela fica entre 1,5 a 2,1 metros senão me engano) tem como habilidade “Fúria” como aquela de barbaro… Sinceramente, alguém aqui consegue visualizar um… um… Texugo, bem… Bem… muuuiiitoooo nervoso? Boladão? Até hoje, essa imagem só me faz rir, nada mais. Alguém tem noção do que seria um Texugo Celestial ou pior, Abissal? Vindo de planos malígnos dos diabos e demonios de D&D?

Mostrei o que é ser um “Jogador Texugo”. Mas ai também uma prova cabal que esses terríveis monstros também podem estar do outro lado…

Cuidado Mestres e Jogadores (mesmo os texugos), uma invasão em D&D começou a muito tempo. Nada de historia, esqueçam a interpretação! Nada de Carisma! Os texugos estão chegando…